Rio de Janeiro Vídeo: Marcinho ingeriu bebida alcoólica antes de atropelamento

Vídeo: Marcinho ingeriu bebida alcoólica antes de atropelamento

Inquérito aponta que jogador bebeu 5 copos de chopp, mas lapso temporal não permitiu comprovar relação direta com acidente

Um vídeo anexado ao inquérito policial mostrou o jogador Marcinho consumindo bebida alcóolica com mais três pessoas em um restaurante no Engenho de Dentro, na zona norte do Rio, horas antes de atropelar um casal de professores no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste da cidade, em dezembro do ano passado.

Imagens mostram Marcinho bebendo em restaurante

Imagens mostram Marcinho bebendo em restaurante

Reprodução/Record TV Rio

As imagens de câmeras de segurança registraram que Marcinho, de camiseta branca, consumiu, pelo menos, cinco copos de chopp e uma água. O jogador permaneceu no restaurante por cerca de duas horas e meia, entre 11h e 13h30.

Leia também: Polícia prende mulher suspeita de torturar filha de 7 anos no RJ

Em entrevista à Record TV Rio, o delegado Alan Luxardo, da 42ª DP (Recreio), explicou, porém, que a polícia não pôde comprovar se Marcinho estava sob efeito de álcool no momento do acidente, que ocorreu após as 20h30.

Segundo o delegado, por Marcinho ter fugido do local e só ter se apresentado à delegacia cinco dias após o atropelamento, a análise da alcoolemia ficou prejudicada.

"Como houve um lapso temporal muito grande entre a ingestão da bebida e o fato, é muito fraco de se afirmar se ele estava ou não sob efeito alcóolico. De qualquer maneira, as imagens foram colhidas e inseri no inquérito, já que foram obtidas através de diligências policiais", disse Alan Luxardo.

Leia também: Incendiário da Tijuca diz ter sentido prazer em cometer crimes

O delegado ressaltou ainda que o inquérito policial caracterizou a imprudência devido ao carro estar em velocidade entre 86 km/h e 110 km/h, superior a 70 km/h, máximo permitido na via. Além disso, ficou constatada a fuga do local, já que Marcinho não prestou socorro às vítimas. Alan Luxardo disse também que não houve risco à integridade física do jogador, que, em depoimento, alegou ter fugido por medo de ser linchado.

Relembre o caso

O lateral Marcinho foi indiciado por duplo homicídio culposo (quando não há intenção de matar) pelas mortes dos professores Alexandre Silva de Lima e Maria Cristina Soares em um atropelamento na avenida Lúcio Costa, no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste do Rio. O acidente aconteceu no dia 30 de dezembro do ano passado. O jogador prestou depoimento cinco dias depois e admitiu dirigir o veículo, mas negou estar alcoolizado no momento do ocorrido.

O carro foi abandonado por Marcinho e, em seguida, rebocado para a garagem da casa do pai dele, onde foi encontrado pela polícia no dia seguinte ao atropelamento.

Alexandre morreu na hora e Maria Cristina faleceu após uma semana internada. Ela chegou a passar por cirurgia nos membros inferiores.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira

Últimas