São Paulo Disputa de empresas por terraço do edifício Martinelli começa em março

Disputa de empresas por terraço do edifício Martinelli começa em março

Edital de licitação que entrega à iniciativa privada observatório Martinelli será lançado após contribuições ao projeto feitas pela população até o dia 20

Terraço do Martinelli será repassado à iniciativa privada

Terraço do Martinelli será repassado à iniciativa privada

Joyce Ribeiro / R7

A população tem até o dia 20 para contribuir com sugestões no projeto de implantação do Observatório Martinelli, no edifício histórico de mesmo nome, no centro de São Paulo. A expectativa da prefeitura é receber 160 mil visitas ao ano, um aumento de 483%, após o repasse da área à iniciativa privada.

Ao fim da consulta pública, a São Paulo Urbanismo vai analisar e incorporar as contribuições. A ideia da prefeitura é lançar o edital de licitação ainda em março. 

Leia mais: Prefeitura lança edital para licitação dos cemitérios e serviços funerários

Entre abril - mês de reabertura do espaço ao público- e dezembro de 2019, o terraço do edifício Martinelli recebeu a visita de 27.453 pessoas. Segundo levantamento da prefeitura, os moradores da capital são os que mais visitam a cobertura, representando 52,9% do total. Em seguida aparece o turista nacional (40,8%), mas também o turista internacional (6,3%).

Destaque para os visitantes vindos do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. A maior parte dos visitantes tem entre 18 e 24 anos e de 30 a 39 anos. Cerca de 55% das pessoas que visitam o terraço são mulheres. São nove horários de visitação todos os dias, incluindo finais de semana e feriados.

Veja também: Prefeitura abre licitação de R$ 900 milhões para semáforos

A visita, no entanto, é um pouco restrita, uma vez que a mansão que fica no último andar permanece fechada por precisar de intensa reforma e há grades no entorno do terraço. Com as mudanças previstas, o palacete do comendador Martinelli será aberto à visitação.

O projeto de implantação e manutenção do Observatório Martinelli prevê um programa de curadoria com espaços expositivos, painéis interativos e acervos relacionados à história do edifício e da cidade, além de apresentações culturais. Também serão inaugurados um novo elevador, restaurante, loja, café e um centro de informações turísticas. 

Leia ainda: Licitação dos ônibus de SP entra em vigor após seis anos de batalhas

A cobertura do edifício Martinelli permite uma visão panorâmica da cidade em 360°. Os interessados em conhecer o terraço podem reservar o ingresso pelo site ou chegar com 30 minutos de antecedência na avenida São João, 35. O tour é gratuito e dura até 45 minutos. 

Palacete no terraço está fechado ao público, mas poderá ser reaberto

Palacete no terraço está fechado ao público, mas poderá ser reaberto

Divulgação/ Leon Rodrigues Secom

História do edifício Martinelli

O edifício Martinelli é um dos primeiros arranha-céus do Brasil e da América Latina. O prédio foi idealizado pelo comerciante italiano Giuseppe Martinelli e projetado pelo arquiteto húngaro Vilmos Fillinger. Sua construção foi iniciada em 1924 e se arrastou por dez anos.

Veja também: Prefeitura de SP anuncia empresa vencedora da licitação da Zona Azul

O prédio tem 30 andares e 105 metros de altura. Para provar à população que o edifício era seguro, o comendador Martinelli construiu um palacete na cobertura, onde morou com a família. A fachada do edifício Martinelli é tombada por ser patrimônio histórico.

A partir da década de 60, o empreendimento entrou em degradação extrema. O edifício foi desapropriado e remodelado em 1979 para abrigar órgãos municipais e lojas no piso térreo. Hoje cerca 80% do prédio pertence à Prefeitura de São Paulo.

Últimas