Há quase uma semana, capivara ferida por corda aguarda resgate

Animal ferido circula pela região da ciclovia da Marginal Pinheiros. Desde o dia 20, a capivara está com uma corda presa e autoridades não agiram

Animal está desde o dia 20 com uma corda presa e aguarda resgate

Animal está desde o dia 20 com uma corda presa e aguarda resgate

Reprodução Twitter

Uma capivara ferida aguarda por atendimento há quase uma semana na região da ciclovia da Marginal Pinheiros, em São Paulo. A denunciante Mariana Aidar está acompanhando diariamente o animal desde o dia 20 e, pelas redes sociais, mostra o animal com a corda presa no abdômen. Segundo ela, a corda cortou a barriga e a capivara estaria sangrando.

Nesta segunda-feira (25), a denunciante afirmou que tentou, com ajuda de outro ciclista, pegar o animal para cortar a corda, mas o animal fugiu passando por baixo da tela usada para cercar o bicho. Ela cobra uma atuação das autoridades para resgate do animal.

Leia mais: PF faz operação para combater desvios em merenda escolar em SP

Em nota, a GCM (Guarda Civil Metropolitana) informou que "por meio da unidade ambiental, esteve nesta segunda no período da tarde no perímetro das ciclovias entre as pontes Ary Torres e Cidade Universitária, porém o animal citado não foi localizado".

A GCM destacou que o resgate de animais dessa espécie e porte requer ação conjunta com os técnicos da Divisão da Fauna Silvestre da Secretaria do Verde e Meio Ambiente, como já ocorreu em outros episódios semelhantes às margens do Rio Pinheiros. 

Veja também: Bruno Covas realiza terceira sessão de quimioterapia nesta terça

Para a captura do animal em segurança, a prática adotada envolve a instalação de brete, que é uma gaiola de grande porte. Após o resgate, o animal pode ser sedado para a retirada da corda que o envolve. Caso sejam necessários cuidados mais especializados, a capivara será internada e tratada antes de ser devolvida ao ambiente, segundo a GCM.

Já a CPTM disse que, na última sexta-feira (22), a companhia "realizou rondas na tentativa de socorrer o animal e prestar o socorro devido, apesar de ser uma medida paliativa" e protocolou pedido na Polícia Ambiental para resgate e entrega da capivara aos órgãos municipais responsáveis pelo tratamento.

Leia mais: Polícia do Guarujá (SP) apura explosão que feriu universitária

Em nota, a empresa informou ainda que "está à disposição para interromper o tráfego de bicicletas na ciclofaixa do Rio Pinheiros e prestar todo o auxílio aos técnicos dos órgãos ambientais durante a captura".