Laudo preliminar aponta que família foi morta a pauladas em SP

Filha do casal e namorada dela estão presas temporariamente suspeitas de envolvimento na morte de mãe, pai e irmão de 15 anos

Família teria sido morta a golpes de pauladas e corpos foram carbonizados

Família teria sido morta a golpes de pauladas e corpos foram carbonizados

Reprodução/ Record TV

Um laudo preliminar da polícia aponta que a família encontrada carbonizada dentro de um carro em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, foi morta a golpes de pauladas. Uma testemunha que está sendo preservada contou aos policiais que ouviu barulhos estranhos vindos da casa onde as vítimas moravam, em Santo André. As informações são da Record TV.

Os corpos de Flaviana Gonçalves, do marido Romuyuki e do filho de 15 anos foram encontrados carbonizados no porta-malas do carro da família, um Jeep Compass, na Estrada do Montanhão, numa área de mata no dia 28. 

A filha mais velha do casal, de 24 anos, está presa temporariamente por 30 dias assim como a namorada dela, de 31 anos, suspeitas de envolvimento no crime. A polícia investiga se a motivação do crime foi a herança da família. A polícia vai pedir também a quebra do sigilo telefônico das duas mulheres para analisar a troca de mensagens. 

As duas suspeitas passaram a noite prestando depoimento e, nesta quarta-feira (29), foram conduzidas ao 7º DP (Lapa). Lucas Domingos, advogado da dupla, afirma que as suspeitas negam qualquer tipo de participação no crime.

Leia mais: 'Só quero justiça', diz avó de suspeita de matar família em SP

O irmão de Flaviana, Flávio Menezes, não fala sobre o envolvimento da sobrinha e acredita que o autor do homicídio "conhecia muito bem a rotina da família". Ele relata que tudo deve ter acontecido ainda dentro da casa, que fica em um condomínio de Santo André.

Flávio destaca que a residência da família estava com manchas de sangue e os cômodos revirados. Algumas joias também desapareceram. "Tinha um cofre aberto. Dá para entender que botaram fogo no carro para queimar os corpos e não ter vestígios", defende.

O tio da principal suspeita pelo crime revela que o relacionamento da sobrinha com a família era conturbado porque o pai dela não aceitava o fato de ela ser homossexual. Ela e a namorada moram juntas.

Veja também: Mãe e babá não são suspeitas de sumiço de menino autista

O caso

Após a identificação das vítimas, os investigadores estranharam o fato de a casa estar revirada, como se tivesse sido assaltada, mas não havia sinais de arrombamento. As suspeitas contra a filha do casal se confirmaram depois que imagens da câmera de segurança mostraram que ela e a companheira estiveram na casa dos pais na noite do crime. O carro das mulheres foi flagrado saindo ao lado do veículo onde os corpos foram encontrados.

A perícia constatou que os três foram mortos ainda dentro da residência com um pedaço de madeira, que ainda não foi localizado. A Polícia Civil não descarta o envolvimento de outras pessoas no crime.

Leia ainda: Auditores fiscais vão receber kit contra coronavírus em Viracopos

A filha do casal contou à polícia que os pais tinham saído para pagar uma dívida com um agiota, mas os agentes desconfiaram do depoimento pelo horário que o crime ocorreu e pelo fato do casal estar com o filho. As contradições nos depoimentos levaram a polícia a pedir a prisão temporária da filha e da namorada dela.