São Paulo Mortos por chuvas na Baixada Santista chegam a 19

Mortos por chuvas na Baixada Santista chegam a 19

Dois bombeiros que atuavam no resgate de soterrados em Guarujá estão entre as vítimas. Há 29 pessoas desaparecidas e 198 desabrigadas

  • São Paulo | Do R7

Dois dos mortos eram bombeiros

Dois dos mortos eram bombeiros

WERTHER SANTANA/ESTADÃO CONTEÚDO - 03/03/2020

As fortes chuvas que atingiram a Baixada Santista deixaram 19 pessoas mortas de acordo com balanço divulgado pela Defesa Civil às 6h30 desta quarta-feira (4). Segundo o Corpo de Bombeiros, às 8h o total de desaparecidos chegou a 30. Há 198 pessoas desabrigadas, sendo 155 no Guarujá, 6 em São Vicente e 37 em Santos.

Leia também: Após chuvas, Santos FC disponibiliza estádio para receber doações

O maior número de mortes foi registrado no Guarujá, onde 15 pessoas faleceram. Dois bombeiros estão entre as vítimas fatais. Os cabos Marciel de Souza Batalha e Rogério de Moraes Santos trabalhavam no resgate de pessoas soterradas no Morro do Macaco Molhado, em Guarujá, quando foram atingidos por um novo deslizamento. Em Santos, houve três óbitos. Em São Vicente, uma pessoa morreu.

Veja também: Moradores convivem com estrago da chuva e incertezas na zona norte

Foram disponibilizadas 15,6 toneladas de materiais de ajuda humanitária (colchões, cobertores, cestas básicas, água sanitária e água potável) aos municípios afetados. Os materiais estão armazenados no depósito do Fundo Social de Santos e serão distribuídos a partir da solicitação das defesas civis municipais.

Leia também: Moradores instalam sirene de alerta de enchente na periferia de SP

O Coordenador Estadual de Proteção e Defesa Civil, Coronel PM Walter Nyakas Junior, permanece na região, em reuniões com o Gabinete de Crise, avaliando as necessidades e a atuação das equipes de salvamento.

Veja também: Décadas de sofrimento com chuva provocam medo e depressão em SP

Previsão do tempo

Ao longo desta quarta-feira (4), a previsão é de chuva fraca e até moderada em pontos isolados da Baixada Santista. Mesmo a frente fria já estando bem afastada do Estado de São Paulo, um sistema de baixa pressão no oceano lançará umidade em direção ao continente que se somará com a umidade da Amazônia. A precipitação será em forma de pancadas com momentos mais persistentes, que elevarão ainda mais os acumulados de chuva na região. Por conta do solo já estar completamente encharcado, o risco de transtornos continua alto. Veja imagens:

Últimas