São Paulo Mulher que fez marmita suspeita não passou mal com a comida

Mulher que fez marmita suspeita não passou mal com a comida

Voluntária que cozinhou quentinha entregue a moradores de rua que morreram na Grande SP diz que família comeu da refeição e passa bem

  • São Paulo | Elizabeth Matravolgyi, da Agência Record

Polícia investiga se marmita estava envenenada

Polícia investiga se marmita estava envenenada

Reprodução/ Record TV

Uma voluntária que cozinhou a comida que estava na marmita suspeita entregue a dois homens em situação de rua em Itapevi, na Grande São Paulo, afirma que ela e a família comeram da quentinha e não passaram mal. Os dois moradores de rua morreram e outras duas pessoas, um menino de 11 anos e uma jovem de 17, que se alimentaram da mesma comida, estão internadas. 

Leia também: Assassino de Rafael Miguel está na lista dos mais procurados de SP

"Nós também comemos dessa comida. Eu comi, meu esposo comeu, levou pro trabalho e está todo mundo bem", afirma Agda Casimiro. A voluntária, que costuma preparar as marmitas na cozinha de uma igreja, procurou a delegacia voluntariamente para depor.

Veja também: Polícia pede quebra de sigilo bancário de líder comunitária

Agda afirmou que havia entregue alimentos na noite de terça-feira (21) e disse que não reconheceu os pontinhos pretos que foram encontrados na refeição como sendo um tempero. Imagens de uma câmera de segurança mostram a chegada de voluntários ao local na mesma noite para fazer a entrega das marmitas.

Agda Casimiro, que preparou as quentinhas, procurou a polícia

Agda Casimiro, que preparou as quentinhas, procurou a polícia

Reprodução/Record TV

Na tarde desta quinta-feira (23), a polícia periciou a cozinha.

O delegado Aloyzio Mendonça Neto, responsável pelo caso afirma que a polícia trabalha com três linhas de investigação. Uma delas é a de que o alimento fpo contaminado antes da entrega, a outra, de contaminação após a entrega e a terceira, de que o alimento estivesse estragado - que, na avaliação dele, é a mais remota das três.

Leia também: Suspeitos são presos por fabricação clandestina de armas em SP

Os corpos de José Luis de Araujo Conceição, de 61 anos, e de Vagner Aparecido Gouveia de Oliveira, de 37 anos, foram sepultados nesta quinta-feira. O menino Fábio Araújo, de 11 anos, está intubado e segue internado no Hospital Geral de Pirajussara, tomando uma medicação preventiva caso seja comprovada a contaminação da comida. Naiara Cardoso Romano, de 17 anos, foi transferida para o Hospital Geral de Osasco e também está intubada

A polícia não sabe ainda se a marmita que causou a intoxicação foi entregue na terça-feira ou em algum dia anterior. Os familiares das vítimas também já foram ouvidos. O delegado aguarda os exames necroscópicos e toxicológicos para concluir o inquérito.

Últimas