São Paulo Polícia descobre esconderijo de Paulo Cupertino fora do Brasil

Polícia descobre esconderijo de Paulo Cupertino fora do Brasil

Foragido há mais de um ano, assassino do ator Rafael Miguel esteve em fazenda na cidade de Liberação, no Paraguai. Proprietário está sendo investigado

  • São Paulo | Do R7, com informações da Record TV

Paulo Cupertino, assassino de Rafael Miguel mudou de aparência para fugir

Paulo Cupertino, assassino de Rafael Miguel mudou de aparência para fugir

Reprodução

A polícia descobriu um imóvel usado como esconderijo por Paulo Cupertino, assassino do ator Rafael Miguel, na zona rural da cidade de Liberação, no Paraguai, a três horas de carro da capital Assunção. De acordo com testemunhas, Cupertino, que está foragido há mais de um ano, teria passado cerca de 15 dias no local. As informações são da Record TV.

Esconderijo de Cupertino na cidade paraguaia de Liberação

Esconderijo de Cupertino na cidade paraguaia de Liberação

Reprodução/Record TV

A investigação da polícia aponta que Cupertino passou por pelo menos três cidades do departamento de São Pedro. Liberação é uma delas, uma cidade de pouco mais de 24 mil habitantes, que vive do agronegócio e do pequeno comércio. Um delegado e dois investigadores do DHPP de São Paulo estiveram no município e pediram apoio a policiais paraguaios. 

Veja também: Domingo Espetacular descobre paradeiro de Paulo Cupertino

Uma denúncia feita por Whatsapp ao programa Cidade Alerta, da Record TV, indicou que o Cupertino teria se dirigido a Liberação. O denunciante indicava que ele estava em uma fazenda, trabalhando com plantação de soja. O local descoberto seria a casa de um fazendeiro brasileiro que teria dado abrigo a um dos criminosos mais procurados da Polícia Civil do Estado de São Paulo. Cupertino já não estava mais lá na chegada da polícia. 

Julci Kuschel, dono da fazenda

Julci Kuschel, dono da fazenda

Reprodução/Record TV

Policiais paraguaios tinham uma ordem de busca e apreensão para cumprir no imóvel. Os abordaram o fazendeiro Julci Kuschel, quando saía de casa, em uma caminhonete. A conversa foi no meio da rua. 

O fazendeiro é natural do Rio Grande do Sul, mora no Paraguai há cerca de 35 anos e possui outras propriedades no departamento de São Pedro.

No momento em que foi abordado pela polícia, o fazendeiro ficou mto exaltado. Ele disse que não sabia onde estava o foragido e permitiu que apenas um agente paraguaio vistoriasse a residência. Ele ficou lá dentro por cerca de 20 minutos. Na saída, disse que não encontrou ninguém. A polícia também conversou com vizinhos, que preferiram se manter em silêncio.

No entanto, quando procurado diretamente pelo diretor do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) de São Paulo, Fabio Pinheiro Lopes, o fazendeiro mudou de versão, dizendo que, se Cupertino esteve na fazenda, ele não ficou sabendo. A polícia acredita que Julci Kuschel esteja acobertando Cupertino e que entender o motivo. 

A polícia apura se é dele o avião que transportou o foragido de Mato Grosso Sul até o Paraguai. O piloto, Alfonso Helfenstein, com quem Cupertino fugiu do Mato Grosso do Sul, seria funcionário dele. 

Foragido por tráfico de drogas, Alfonso é dono do sítio onde Cupertino ficou escondido durante 15 meses.

Julci disse aos policiais que conhece Alfonso mas que há seis meses não tem contato com ele. A informação foi negada por moradores da cidade. Uma mulher que conhece de perto o fazendeiro disse à Record TV que, pouco antes da polícia chegar, Alfonso esteve na casa. Ela disse ainda que Julci e o piloto são muito próximos.

Caçada

Entre o fim de outubro e o início de novembro, a caçada da polícia por Paulo Cupertino percorreu ao menos 12 cidades do Mato Grosso do Sul e do Paraná - algumas na fronteira do Brasil com o Paraguai. De acordo com investigadores, nesta época Cupertino havia fugido de um sítio onde estava escondido na cidade de Eldorado, no Mato Grosso do Sul. A polícia brasileira emitiu um alerta para a polícia paraguaia e a fronteira com o país vizinho estava sendo monitorada.

Paulo Cupertino, assassino de Rafael Miguel, tirou RG falso com nome de Manoel Machado da Silva

Paulo Cupertino, assassino de Rafael Miguel, tirou RG falso com nome de Manoel Machado da Silva

Divulgação

Antes de seguir para Eldorado, Cupertino esteve no Paraná, onde conseguiu tirar um RG usando documentos falsos na cidade de Jataizinho. O documento de identidade emitido em nome de Manoel Machado da Silva foi cancelado.

O caso

O ator Rafael Henrique Miguel, de 22 anos, e os pais do rapaz, João Alcisio Miguel, de 52 anos, e Miriam Selma Miguel, de 50 anos, morreram baleados no dia 9 de junho de 2019 na Estrada do Alvarenga, na região de Pedreira, zona sul de São Paulo. O jovem era conhecido por ter interpretado o personagem Paçoca na novela Chiquititas.

Veja também: Amigos que ajudaram assassino de Rafael Miguel a fugir se contradizem

Rafael, acompanhado dos pais dele, foi até a casa de sua namorada, Isabela Tibcherani, conversar com o pai dela, Paulo Cupertino, sobre o namoro. A família foi recebida pela jovem e pela mãe dela. Quando Cupertino chegou ao local, armado, atirou nas três vítimas que estavam no portão da casa.

Leia mais: Caso Rafael Miguel faz um ano e polícia não tem pistas do assassino

Cupertino disparou 13 vezes contra a família do namorado da filha. Sete acertaram Rafael. O pai do rapaz foi atingido 4 vezes e a mãe foi baleada no peito e no ombro. Os três morreram no local.

Últimas