Saúde 'Só comemoro produto recebido', diz Mandetta sobre insumos médicos

'Só comemoro produto recebido', diz Mandetta sobre insumos médicos

Ministro da Saúde afirmou que o governo federal, por meio do Ministério da Infraestrutura, está preparado buscar EPIs comprados do exterior

  • Saúde | Giuliana Saringer, do R7

Mandetta diz que pandemia mudou o mercado

Mandetta diz que pandemia mudou o mercado

Anderson Riedel/PR - 1º.04.2020

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse nesta quinta-feira (2) que a pandemia de novo coronavírus mudou o mercado de EPIs (equipamentos de proteção individual) e que só considera uma negociação bem-sucedida quando os produtos chegam ao Brasil.

"[Existe uma diferença entre] contrato assinado e o produto recebido. Eu só comemoro o produto recebido", disse Mandetta. O chefe da Saúde ressaltou que, se houver necessidade, o ministério da Infraestrutura está preparado para buscar os produtos comprados no exterior.

Saiba como se proteger e tire as principais dúvidas sobre o coronavírus

Equipamentos médicos são prioridade dos governos dos países

Equipamentos médicos são prioridade dos governos dos países

Ciro De Luca/Reuters – 02.04.2020

Mandetta disse que contratos foram cancelados, tanto de compra de EPIs como de respiradores. O ministro afirmou que a pasta comprou R$ 1,2 bilhão em respiradores, item hospitalar essencial para o tratamento de pacientes graves da covid-19, e que o fornecedor tem até 30 dias para entrega. 

O ministro também afirmou que, depois do novo coronavírus, o mundo precisa entender que produção de EPIs não pode depender tanto de um único país. Segundo Mandetta, 60% da produção mundial vem da China

"O mundo inteiro está comprando. Quando a China inicia esse processo do coronavírus, em Wuhan, ainda permitia a exportação de EPI. Pouco tempo depois, só produção interna", afirma. O ministro diz que foram quase 60 dias sem poder comprar EPIs da China. "Não pode concentrar tudo num país só", disse. 

Arte/R7

Últimas