Tecnologia e Ciência Descubra se o seu e-mail está em bancos de dados na dark web

Descubra se o seu e-mail está em bancos de dados na dark web

Ferramenta confere gratuitamente se um endereço está exposto no ambiente on-line usado para praticar crimes e aplicar golpes

E-mail vazados na web

Hackers usam dados pessoais para aplicar golpes e ganhar dinheiro na dark web

Hackers usam dados pessoais para aplicar golpes e ganhar dinheiro na dark web

Pixabay

Muitos golpes na internet surgem a partir de dados roubados durante a navegação dos usuários. Por isso, cibercriminosos têm como objetivo conseguir nome, e-mail, telefone, endereço e números de cartão de crédito. Essas informações podem ser vendidas na dark web e a vítima fica exposta a diversos riscos.

Leia também: 'Roubar dados bancários é o principal objetivo', diz hacker

A dark web é o ambiente na internet ainda mais obscuro do que a deep web e não está aberta para todo mundo. A dificuldade de acesso e o anonimato favorecem diversas práticas criminosas. Além do comércio de dados, são armazenados conteúdos ilegais, como pornografia infantil, e propagados discursos de ódio.

Os crimes online podem não deixar pistas claras e a pessoa demora para tomar medidas de segurança enquanto hackers utilizam os dados. A ferramenta Serasa Antifraude ajuda a conferir se um e-mail já está na dark web, basta digitar um endereço e fazer uma busca. A versão paga do recurso ainda permite saber qual foi o site responsável pelo vazamento.

Veja também: Fotos, posts e curtidas são fonte de informações para cibercriminosos

Ferramenta on-line encontra e-mail em banco de dados na Dark Web

Ferramenta on-line encontra e-mail em banco de dados na Dark Web

Reprodução

Segundo o Serasa Consumidor, o Brasil é o 5º país com o maior volume de informações vazados, mas apenas 6 em cada 10 brasileiros buscam se proteger. Cerca de 40% dos usuários brasileiros utilizam um antivírus, mas só 4% evitam salvar senhas e dados financeiros.

Ao descobrir a ação de um hacker, medidas de segurança devem ser tomadas. O primeiro passo é trocar as senhas de acesso por uma combinação de letras e números mais difícil de ser descoberta. Instalar um antivírus em celulares e computadores também é aconselhável.

A mudança de comportamento é uma outra forma de diminuir os riscos. Às vezes, o próprio usuário preenche cadastros falsos e entrega dados pessoais aos criminosos. Por isso, desconfie e não clique em links desconhecidos recebidos em conversas por aplicativos de mensagens ou pelo e-mail.

Veja também: 

Uma em cada 45 compras on-line no Brasil é de origem fraudulenta