São Paulo

19/3/2014 às 08h39 (Atualizado em 19/3/2014 às 08h51)

Utilização do volume morto do Cantareira será monitorada

Na terça-feira (19), o reservatório estava com 14,9% da capacidade, novo recorde negativo

Agência Estado

Na terça-feira (19), o manancial estava com 14,9% da capacidade, novo recorde negativo Luís Moura/17.03.2014/Estadão Conteúdo

O comitê anticrise que monitora o Sistema Cantareira pediu para a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) apresentar um plano detalhado com alternativas do volume de água a ser retirado da principal fonte de abastecimento da Grande São Paulo até o fim do ano para diferentes níveis de armazenamento. Na terça-feira (19), o manancial estava com 14,9% da capacidade, novo recorde negativo.

O objetivo do grupo comandado pela ANA (Agência Nacional de Águas) e pelo DAEE (Departamento de Água e Energia Elétrica), gestores do sistema, é planejar o uso do chamado "volume morto" do Cantareira, cerca de 300 bilhões de litros que ficam no fundo dos reservatórios, para evitar o colapso do manancial.

A Sabesp começou na segunda-feir (17), as obras necessárias para captar 200 bilhões de litros armazenados abaixo do nível das comportas nas Represas Jaguari e Jacareí, em Bragança Paulista, e Atibainha, em Nazaré Paulista. Segundo a companhia, a conclusão está prevista para maio e o "volume morto" seria suficiente para abastecer a região metropolitana de São Paulo por quatro meses, a partir do início da operação.

Crise de abastecimento muda distribuição de água na Grande SP; veja como ela chega até sua casa

Manancial da Cantareira se esgota até Copa, diz comitê

De acordo com o comitê anticrise, a medida seria necessária a partir de julho. Conforme o Estado antecipou na segunda-feira, o grupo estima que o chamado "volume útil" — armazenado acima das bombas — se esgote em julho, mês da Copa do Mundo.

Em nota oficial, a Sabesp informou que segue a determinação dos órgãos reguladores do Sistema Cantareira e vai apresentar o plano recomendado pela ANA e pelo DAEE assim que ele for concluído.

Seca

Em relatório divulgado nesta quarta-feira (19), o comitê anticrise aponta que, mesmo com a redução do volume de água retirado pela Sabesp em março, a quantidade de água que entrou no sistema está bem abaixo da registrada em 1953, que até este ano tinha enfrentado a pior seca da história e, por isso, serviu de parâmetro para as simulações de vida útil do Cantareira.

No papel, o grupo manteve como previsão de esgotamento do "volume útil" do Cantareira o mês de agosto, apresentado como o pior cenário no relatório fechado há um mês. Mas fontes ligadas ao comitê reiteraram que, se mantida a média de água que entrou no sistema este mês, e a retirada pela Sabesp para a Grande São Paulo, e para as cidades da região de Campinas, o nível dos reservatórios seca um mês antes.

As perspectivas ficaram mais pessimistas porque o déficit na conta entre o volume que entra e sai do manancial é de 3,9 mil litros por segundo em relação à simulação anterior. Para se ter uma ideia, o volume é superior à vazão que hoje é liberada para abastecer os cerca de 5,5 milhões de moradores da região de Campinas.

Alckmin volta a negar necessidade de racionamento

Desde janeiro deste ano, a quantidade de água que entrou nos reservatórios do Sistema Cantareira corresponde a 15% da média histórica, mesmo com a volta das chuvas neste mês. Em 1953, o pior índice foi o de janeiro: 39%. Naquele ano, a vazão média de água que abastecia as represas oscilou entre 24,5 mil litros e 26,7 mil litros por segundo no primeiro trimestre. Em fevereiro deste ano, a vazão foi de apenas 8,5 mil litros e neste mês estava em 14,1 mil litros até terça-feira (18).

Por outro lado, no mesmo período a quantidade de água liberada para abastecer cerca de 14,3 milhões de pessoas das Regiões Metropolitanas de São Paulo e Campinas foi de 29,7 mil litros por segundo, ou seja, déficit de 14,5 mil litros por segundo. O pior é que até agora nenhuma das medidas anunciadas pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB) foi suficiente para brecar a queda do "volume útil" do Cantareira, que estava com 21,9% da capacidade no início de fevereiro, quando começou o plano de bônus para quem reduzir o consumo. 

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
Compartilhe
Assalto na Dutra

Empresário morto ao saltar de carro em movimento era fã de armas e velocidade

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Crise no abastecimento

Moradores de Itu são obrigados a improvisar para conseguir água

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
17 anos

Sessão de tortura de garota queimada com cigarro durou quatro horas

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Você moraria nestes lugares?

Veja como estão imóveis que foram cenários de tragédias em São Paulo

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de São Paulo

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!