Brasília Dino vai à casa de Lira para conter crise após operação da PF atingir ex-assessor

Dino vai à casa de Lira para conter crise após operação da PF atingir ex-assessor

Presidente da Câmara desconfia que o Palácio do Planalto prepara um cerco político contra ele e cobra apuração

Agência Estado
O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados - 24/5/2023

O ministro da Justiça, Flávio Dino, esteve na residência oficial do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), após a operação da Polícia Federal que atingiu Luciano Cavalcante, ex-assessor do deputado, que atualmente trabalha na liderança de seu partido, o PP. Lira queria saber de Dino detalhes sobre a diligência e por que motivo o processo de busca e apreensão em endereços de seus aliados foi deflagrado agora, justamente no momento em que ele e o governo vivem uma crise de relacionamento.

O presidente da Câmara tem em mãos cópias de mensagens que a assessoria da Polícia Federal divulgou sobre a operação sigilosa e desconfia que o Palácio do Planalto prepara um cerco político contra ele. Agora, cobra uma apuração do que chama de "vazamento" ilegal de informações.

No encontro desta quinta-feira (1°), Dino disse a Lira que o inquérito da PF — aberto para investigar desvio de recursos destinados à compra de kits escolares de robótica, em Alagoas — começou antes mesmo do início do governo Lula. É justamente essa investigação que atinge o ex-assessor do deputado e outros aliados dele. O ministro da Justiça afirmou, ainda, não ter controle sobre as datas de operações da PF.

Num dos locais de busca e apreensão, em Maceió, a PF encontrou R$ 4,4 milhões em dinheiro vivo. "Eu não tenho nada a ver com isso, nem me sinto atingido", reagiu Lira. "Cada um é responsável por seu CPF."

Fúria

Furioso, o presidente da Câmara fez questão de repetir, após a aprovação da medida provisória (MP) de reestruturação dos ministérios, na noite de quarta-feira (31), que o governo terá agora de andar com as próprias pernas. Àquela altura não se desconfiava da operação da PF, no dia seguinte. Aliados de Lira observam, porém, que ele já devia saber de alguma coisa, porque queria deixar caducar a MP, e foi necessário muito esforço para demovê-lo da ideia.

Lira não se cansa de criticar o que chama de "ausência de articulação política" por parte do Executivo. Não é só: acha que está sendo "enrolado" por ministros do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que não querem dividir com ele a execução do Orçamento.

Na prática, o presidente da Câmara tem colecionado desavenças com o governo. Em abril, por exemplo, Dino vetou a indicação de Lira para uma vaga de desembargador no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1). O deputado queria emplacar no cargo o juiz João Carlos Mayer Soares, mas Dino alegou que o indicado era muito próximo do ex-ministro da Justiça Anderson Torres, suspeito de ter estimulado os ataques golpistas de 8 de janeiro.

Em outra frente, o Supremo Tribunal Federal (STF) marcou para a próxima terça-feira (6) o julgamento de um recurso de Lira contra denúncia da Procuradoria-Geral da República, por corrupção passiva. O processo, que pode torná-lo réu, o acusa de receber propina de R$ 106 mil, do ex-presidente da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) Francisco Colombo. O dinheiro foi apreendido com um ex-assessor de Lira, que nega ter qualquer relação com o valor.

Últimas