Meio Ambiente

Brasília Em 2021, prisões da PF por crimes de colarinho-branco caíram 59%

Em 2021, prisões da PF por crimes de colarinho-branco caíram 59%

Por outro lado, detenções por delitos relacionados a violação dos direitos humanos e ataques contra o meio ambiente aumentaram

  • Brasília | Renato Souza, do R7, em Brasília

Enquanto prisões por corrupção caíram no ano passado, ações contra crimes ambientais aumentaram

Enquanto prisões por corrupção caíram no ano passado, ações contra crimes ambientais aumentaram

Divulgação / pF

O número de prisões feitas pela Polícia Federal por crimes de colarinho-branco teve uma queda de 59% no ano passado. De acordo com dados da corporação, em 2021, o número de prisões por delitos como corrupção, organização criminosa, peculato, tráfico de influência e outros crimes, foi de 167 entre janeiro e setembro. Já no ano anterior, foram realizadas 411 detenções.

O fim da operação Lava Jato, com a desmobilização das forças-tarefas no âmbito do MPF (Ministério Público Federal) por determinação da PGR (Procuradoria-Geral da República), poderia explicar a desaceleração nas ações. No entanto, o número de prisões está bem abaixo de anos anteriores, quando a Lava Jato nem sequer tinha sido deflagrada. Em 2008, foram 320 prisões, e em 2011, 314.  A Lava Jato começou em 2014, quando foram registradas 174 prisões, e, em 2018, ano eleitoral, atingiu o pico, com 668 encarceramentos. 

Os dados anteriores a 2018 foram informados pela PF após um pedido de acesso à informação da ONG (Organização Não Governamental) Fiquem Sabendo, especializada na coleta de dados públicos. Os dados mais recentes foram divulgados em um balanço da instituição.

Direitos humanos


Se por um lado as prisões deflagradas contra atos de corrupção diminuíram, as ações e detenções ligadas a violações de direitos humanos tiveram um aumento substancial. Em 2021, foram realizadas 304 operações contra crimes desse tipo, que envolvem trabalho escravo, tráfico de pessoas e contrabando de imigrantes. Em 2020, foram 90 operações, o que revela um aumento de 237%, sendo o maior número de ações do tipo desde 2008.

No ano passado, 156 pessoas foram presas por envolvimento em delitos contra os direitos humanos, frente a 70 detenções no período imediatamente anterior. Outro aumento foi o registrado nas ações deflagradas contra crimes ambientais, que chegaram a 695 no ano passado, com aumento de 55% frente às 447 de 2020.

No mesmo período, 646 pessoas foram presas por atos que envolvem desmatamento ilegal, poluição de rios, danos contra a fauna e a flora e contrabando de produtos de origem animal e vegetal. 

Últimas