Brasília GDF estuda alternativas para realizar Carnaval de rua em 2022

GDF estuda alternativas para realizar Carnaval de rua em 2022

CLDF também avalia possibilidades. Secretaria de Cultura anunciou aporte de R$ 5,4 milhões para escolas de samba e blocos

  • Brasília | Jéssica Moura, do R7, em Brasília

Foliões durante Carnaval no DF. Festa foi cancelada em 2021

Foliões durante Carnaval no DF. Festa foi cancelada em 2021

Reprodução

O GDF (Governo do Distrito Federal) e a Câmara Legislativa do DF (CLDF) discutem alternativas para realizar o Carnaval de rua na capital em 2022 e dar suporte às escolas de samba e aos blocos tradicionais de Brasília. As instituições, que foram impactadas pelo cancelamento das festividades devido à pandemia de Covid-19, poderão receber um aporte de R$ 5,4 milhões. O valor foi anunciado nesta quinta-feira (18) em reunião com deputados da Frente Parlamentar em Defesa do Carnaval. 

Com o avanço da vacinação da população contra a Covid-19, o secretário de Cultura, Bartolomeu Rodrigues, afirmou em sessão da CLDF que "há um esforço grande do governo" para promover as festas em 2022, mas que "não tem bola de cristal" para prever como estará a situação da pandemia até fevereiro.

Desse modo, a pasta pretende realizar estudos técnicos para ver a viabilidade da festa, mas pode reverter a decisão dependendo do cenário da pandemia no próximo ano. O Carnaval em 2021 foi cancelado em razão da crise sanitária.

O deputado distrital Fábio Felix (Psol) defendeu a ideia de que fosse instituído um "passe sanitário" para quem quiser frequentar as festas, eventos e bares no período. “Quem não vacinou até agora só o fará com isso. Medidas duras também são necessárias para continuar caminhando para a abertura”, ponderou.

O deputado distrital Reginaldo Veras (PDT) disse que "há uma demanda reprimida de ir para a rua, de ter contato e de pular, tudo que o Carnaval oferece, mas o estado precisa se organizar para evitar problemas".

Recentemente, o governador Ibaneis Rocha deu declarações descartando a possibilidade de exigir a comprovação de vacinação completa para barrar a circulação de pessoas. 

Na reunião, o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero, concordou que a estratégia para elevar a segurança é ampliar a imunização da população. "Quanto mais vacinados, menos internações e mortalidade.” A previsão do governo é que 90% dos brasilienses estejam completamente imunizados até janeiro de 2022. Atualmente, a taxa está em 72,64% entre a população com 12 anos ou mais.

Neste sábado, a Secretaria de Saúde promove o Dia D de vacinação contra a Covid-19. O objetivo é imunizar 200 mil pessoas. Serão abertos 28 pontos de vacinação em 13 regiões administrativas (Sol Nascente, Ceilândia, Brazlândia, Águas Claras, Taguatinga, Samambaia, Guará, Riacho Fundo II, Asa Norte, Gama, Planaltina, Núcleo Bandeirante e Santa Maria), das 9h às 17h. A segunda dose e a de reforço serão ofertadas também em UBSs (Unidades Básicas de Saúde) e na Feira dos Importados do SIA.

Últimas