Brasília Queiroga sinaliza uso da CoronaVac infantil em campanha de vacinação

Queiroga sinaliza uso da CoronaVac infantil em campanha de vacinação

Anvisa realiza análises para aprovar ou não o uso do imunizante. Governo de SP espera decisão nesta semana

  • Brasília | Bruna Lima, do R7, em Brasília

Atualmente, vacinação de crianças ocorre somente com a Pfizer

Atualmente, vacinação de crianças ocorre somente com a Pfizer

BRUNO ROCHA/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO

Caso a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprove o uso da CoronaVac em crianças e adolescentes de 3 a 17 anos, o Ministério da Saúde pretende incluir a vacina para a faixa etária no PNO (Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra Covid-19), sem a realização de nova consulta pública sobre o tema. A sinalização foi dada pelo ministro Marcelo Queiroga nesta segunda-feira (17). 

"Uma vez havendo a aprovação da Anvisa, como de costume, o ministério vai analisar o inteiro teor dessa aprovação para que essa ou qualquer outra vacina que seja aprovada para qualquer faixa etária seja disponibilizada para a população brasileira. É o procedimento padrão", disse o ministro em entrevista a jornalistas. 

Apesar da sinalização, nenhum movimento será feito até que a Anvisa decida sobre o tema. "Nós queremos que tenha mais insumos disponíveis, mais vacinas, mais medicamentos, mas é preciso observar os aspectos regulatórios", frisou. "Nós queremos a eficiência, a efetividade da vacina, mas sobretudo a segurança para o povo brasileiro."

Desta vez, no entanto, não há a pretenção de realizar um novo debate com consulta ou audiência pública para discutir a inclusão. "Não é necessário. A questão da audiência pública foi justamente para ampliar a discussão sobre um tema que é sensível", explicou Queiroga.

A realização dessas etapas foi alvo de crítica dos próprios representantes de sociedades científicas, que argumentaram que a audiência serviu de palco para o movimento antivacina, trazendo mais dúvidas do que tranquilidade à população. 

O processo de análise para a aprovação ou não do uso pediátrico da CoronaVac está em fase final. A última reunião entre a agência, o Instituto Butantan e especialistas da área pediátrica e de imunização foi realizada na quinta-feira (13). Além de apresentarem dados solicitados pela reguladora, as partes interessadas firmaram compromissos que valerão caso o uso infantil da vacina seja autorizado.

"A avaliação está entrando na última etapa e próxima da decisão final", antecipou a Anvisa, mas sem dar data para a apresentação e votação do relatório final. A expectativa do Governo de São Paulo é pela aprovação ainda nesta semana. O estado tem 15 milhões de doses da vacina infantil contra a Covid-19 prontas para utilização.

Como o imunizante não possui registro definitivo no Brasil, a autorização está nas mãos da Diretoria Colegiada, com decisão por maioria simples.

Últimas