3,5 milhões de estudantes voltam às aulas na rede estadual de SP

Implantação do projeto Inova Educação e a inclusão de recessos ao fim de cada bimestre prometem marcar o calendário acadêmico de 2020

Estado de São Paulo promete novidades no calendário acadêmico 2020

Estado de São Paulo promete novidades no calendário acadêmico 2020

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Aproximadamente 3,5 milhões de estudantes voltam às aulas, nesta segunda-feira (3), nas unidades de ensino da rede estadual de São Paulo. Duas novidades, no entanto, prometem marcar o calendário acadêmico de 2020: a implantação do projeto Inova Educação e a inclusão de recessos ao fim de cada bimestre. 

O objetivo da pasta com o projeto é colocar em prática uma série de ações durante o primeiro dia letivo para que alunos, equipes docente e gestores se sintam acolhidos e integrados. Além disso, propor que crianças e adolescentes façam uma análise quando aos planos de vida deles — um dos novos elementos da matriz curricular do estado.

Os alunos serão convidados a registrar os seus sonhos. A partir daí, a ideia é que eles sejam "estimulados" a questionar quais são as etapas necessárias para que consigam concredizar os seus objetivos pessoais, profissionais e educacionais.

As informações vão compor uma espécie de portfólio indivudual do estudante, que passará por uma primeira análise e, na sequência, serão compartilhadas com outros professores.

A troca de visões pretende, de acordo com o projeto, oferecer ferramentas para que o corpo docente trabalhe na elaboração das chamadas "disciplinas eletivas" — aquelas para fins de enriquecimento cultural — e, assim, tenham alguma relação com os projetos de vida apresentados inicialmente pelo corpo discente.

As aulas estão só começando, mas, no entanto, uma novidade promete agradar os estudantes: a criação de recessos ao fim de cada bimestre. O objetivo com as pausas, de acordo com a Secretaria da Educação, é oferecer aos estudantes uma "espécie de descompressão". O projeto é encarado pela pasta como uma possibilidade para que o professor possa se reorganizar para seguir com o ano letivo e, também para o corpo discente, que, com a mudança, estará mais disposto ao processo de aprendizagem.