Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Educação
Publicidade

Só dois em cada cem jovens de até 15 anos no país conseguem solucionar contas financeiras

Pesquisa também mostrou 45% dos alunos nesta faixa etária estão nos níveis mais baixos analisados

Educação|Rafaela Soares, do R7, em Brasília


45% dos estudantes estão nos níveis mais baixos Tony Winston/Agência Brasília

O relatório do Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes) de 2022 mostrou que só dois em cada cem jovens de até 15 anos no Brasil conseguem solucionar contas financeiras ou têm uma compreensão mais ampla sobre o contexto financeiro, como noções sobre o imposto de renda. A pesquisa, divulgada nesta quinta-feira (27), analisou dados de 14 países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) e seis parceiros, como o Brasil. Os dados também mostram que 45% dos alunos brasileiros nesta faixa etária estão nos níveis mais baixos de proficiência em alfabetização financeira.

Veja mais

De acordo com o levantamento, o Brasil ficou abaixo da pontuação média dos países da OCDE com relação à performance em alfabetização financeira. O indicador das nações do grupo foi de 498 pontos, enquanto o índice brasileiro ficou em 416 pontos. A média brasileira é mais alta apenas que as da Arábia Saudita (412) e da Malásia (406).

O Peru, único país da América do Sul além do Brasil que foi analisado, marcou 421. Entre os países mais bem colocados, estão Dinamarca (521) e Holanda (517).

Termos financeiros

O estudo analisou se os estudantes de cada país conheciam termos financeiros, como empréstimos, Banco Central e juros compostos. A média de conhecimento nos países da OCDE foi de 7 em 16 expressões, enquanto no Brasil, Bulgária, Malásia, Polônia e Arábia Saudita, pelo menos 25% dos estudantes relataram não conhecer nenhuma das palavras.

Publicidade

Veja lista completa das expressões financeiras consultadas:

  • Orçamento;
  • Empréstimo bancário;
  • Remuneração;
  • Cartão de débito;
  • Empreendedor;
  • Imposto de Renda;
  • Ações;
  • Banco Central;
  • Plano de Pensão;
  • Pagamento de juros;
  • Taxa de câmbio;
  • Retorno sobre o investimento;
  • Juros compostos;
  • Dividendo;
  • Depreciação; e
  • Diversificação.

Relação com o dinheiro

A pesquisa também analisou a relação dos estudantes com o dinheiro. No Brasil, Bulgária e Costa Rica, mais de 20% dos estudantes afirmaram que discutem diariamente as suas decisões de gastos com os pais, enquanto na comunidade flamenga da Bélgica, Dinamarca, Holanda e Polônia, menos de 10% o fizeram.

Em média, nos países e economias da OCDE e nos países convidados, 71% dos alunos relataram que conversam com os pais pelo menos uma vez por mês sobre como usar a mesada. No Brasil, esse indicador foi de 61%.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.