Eleições 2022 Luxemburgo contesta candidatura de ex-prefeito de Palmas ao Senado

Luxemburgo contesta candidatura de ex-prefeito de Palmas ao Senado

Treinador, que esperava disputar a vaga pelo PSB, alega que Carlos Amastha está inelegível por ter tido as contas reprovadas

  • Eleições 2022 | Augusto Fernandes, do R7, em Brasília

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, e o treinador Vanderlei Luxemburgo

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, e o treinador Vanderlei Luxemburgo

Chico Ferreira - 28.03.2022

A equipe jurídica do treinador de futebol Vanderlei Luxemburgo contestou na Justiça Eleitoral a candidatura do ex-prefeito de Palmas Carlos Amastha (PSB) ao Senado. Em uma ação apresentada ao Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins (TRE-TO), Luxemburgo afirma que Amastha está inelegível, pois a prestação de contas dele no primeiro mandato como prefeito, entre 2013 e 2016, foi reprovada.

Além disso, o técnico frisa que o político é alvo de duas denúncias feitas pelo Ministério Público Federal (MPF). Em uma delas, Amastha é acusado dos crimes de corrupção passiva majorada, lavagem de dinheiro majorada e concurso material por causa do recebimento de propina para favorecer uma empresa de recolhimento de lixo.

Na outra, o político é suspeito de ter cometido corrupção ativa, corrupção passiva e associação criminosa pelo recebimento de vantagens ilícitas em um empreendimento imobiliário.

A ação de Luxemburgo apresentada ao TRE-TO foi assinada pelo advogado Vinícius Matos Tundela. No documento, ele pondera que a conduta do ex-prefeito Carlos Enrique Franco Amastha "ultraja a boa conduta administrativa, se desenrolando sempre em atos de descumprimento da Constituição Federal e das Leis protetoras da Administração Pública, configurando, a mais não poder, ato doloso de improbidade".

Luxemburgo esperava disputar a vaga

Luxemburgo pediu ao TRE-TO que o ex-prefeito seja impedido de concorrer nas eleições deste ano. Ele filiou-se ao PSB em março e esperava disputar o Senado pelo partido, mas a legenda decidiu lançar Amastha. Apesar de contestar a candidatura do político, Luxemburgo disse que não vai pedir para participar do pleito caso Amastha tenha a candidatura negada.

A ação do treinador será analisada pela juíza Delícia Feitosa Sudbrack. Neste domingo (21), ela deu a Amastha sete dias para se manifestar sobre a contestação feita por Luxemburgo. O R7 entrou em contato com o ex-prefeito, mas não obteve resposta. O espaço segue aberto para a possível manifestação.

Últimas