Minas Gerais Blogueira suspeita de falsificar cosméticos em BH está solta 

Blogueira suspeita de falsificar cosméticos em BH está solta 

Justiça concedeu liberdade provisória a Rafaela Braga, seu marido e seus pais, que foram presos na última quinta-feira (8)

  • Minas Gerais | Lucas Pavanelli, do R7, com Enzo Menezes, da RecordTV Minas

Rafaela Braga não pode mais vender cosméticos

Rafaela Braga não pode mais vender cosméticos

Reprodução/Facebook

A blogueira Rafaela Braga, de 21 anos, seu marido e seus pais, estão soltos, após decisão da Justiça, que concedeu liberdade provisória a eles na última quinta-feira (8). Acusados de vender cosméticos adulterados e falsificados em todo o país, os quatro foram detidos após uma operação da Polícia Civil e receberam o benefício de responder ao processo em liberdade. A informação só foi revelada nesta semana. 

Rafaela Braga é acusada de chefiar o esquema, que também contava com as participações dos pais dela, que tem 49 e 54 anos, e de seu marido, de 25.

De acordo com as investigações, a blogueira, que tem cerca de 100 mil seguidores nas redes sociais, prometia métodos exclusivos para tratamento de pele. No entanto, os produtos que ela oferecia eram adulterados e não tinham eficácia comprovada.

A decisão assinada pelo juiz Haroldo Dutra Dias impõe aos quatro a obrigação de
comparecimento a todos os atos processuais, a proibição de afastamento da comarca por mais de dois dias e a determinação de recolhimento domiciliar no período noturno e nos finais de semana. 

Rafaela Braga, seu marido e seus pais também não podem mais trabalhar com a venda de cosméticos, sob pena de perderem o benefício.  

Prisão

De acordo com a Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública), Rafaela Braga e sua mãe deram entrada na Penitenciária de Belo Horizonte I na sexta-feira (9) e foram liberadas no mesmo dia.

Já o pai dela e o marido foram levados para o Ceresp (Centro de Remanejamento Provisório de Belo Horizonte) na quinta-feira (8) e foram soltos no dia seguinte.

Esquema antigo

De acordo com a delegada Elisa Moreira, Rafaela se passava por estudante de Biomedicina e atuava com falsificação dos produtos há, pelo menos seis anos, desde quando ela tinha apenas 15 anos de idade. 

A delegada Andrea Pochmann, que coordena as investigações, diz, ainda, que Rafaela dava "cursos de cosméticos".

A polícia acredita que a suspeita tenha feito várias vítimas, já que os cursos eram promovidos em vários estados, contando com uma média de 30 pessoas por atividade. O preço dos cursos variavam enter R$ 3 mil e R$ 5 mil e o kit com cosméticos vendido por ela saía por cerca de R$ 1,5 mil.

— Além dos cursos, ela aplicava esses procedimentos estéticos nas suas clínicas e vendia os cosméticos através de sites e na clínica.

Operação

Uma operação foi desencadeada pela Polícia Civil, que encontrou um laboratório clandestino, produtos prontos para a venda, além de rótulos, embalagens e matérias-primas.

Últimas