Minas Gerais Kalil pede investimento federal para vacina da UFMG contra covid

Kalil pede investimento federal para vacina da UFMG contra covid

Prefeito diz que Spintec pode colocar "MG na ponta da vacinação do Brasil"; Anvisa aguarda envio da documentação completa 

  • Minas Gerais | Akemí Duarte, da Record TV Minas

Kalil foi recepcionado pela reitora da UFMG

Kalil foi recepcionado pela reitora da UFMG

Reprodução / Record TV Minas

O prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil (PSD) visitou nesta quinta-feira (5) o CT Vacinas (Centro de Tecnologia em Vacinas) da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), onde está sendo desenvolvido um imunizante contra a covid-19. Kalil visitou o prédio na companhia da reitora da universidade, Sandra Regina Goulart Almeida.

Kalil e Sandra foram acompanhados por diversos secretários municipais, entre eles o de Saúde, Jackson Machado. A estrutura dos dois laboratórios onde estão sendo desenvolvidos a vacina Spintec chamou a atenção do prefeito, que afirmou que os pesquisadores da UFMG estão fazendo um sacrifício enorme. Kalil ressaltou que os repasses de R$ 30 milhões feitos pela prefeitura ajudam, mas não são suficientes.

— É importante salientar que nossa ajuda foi pequena. Nós precisamos, e muito, da ajuda do Governo Federal nesta terceira fase, que é um investimento gigantesco.

Veja: Vacina da covid da UFMG pode custar 80% menos que as demais

A reitora Sandra Almeida afirmou que a ajuda de R$ 30 milhões feita pela prefeitura veio “em um momento decisivo e de muitos temores”. O prefeito Kalil ressaltou que todos os investimentos feitos nesta pesquisa podem “colocar Minas e o Brasil no mapa”.

— Ninguém joga dinheiro fora. Estamos investindo porque há uma esperança muito grande de que essa vacina seja realmente um imunizante que ponha Belo Horizonte e Minas Gerais na ponta da vacinação no Brasil.

Os pesquisadores da Spintec já anunciaram que estão prontos para iniciar os testes clínicos e solicitaram, na última sexta-feira (30), permissão da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para começar as pesquisas em seres humanos. O estudo é coordenado pelo imunologista Ricardo Gazzinelli, professor da UFMG e presidente da Sociedade Brasileira de Imunologia.

A vacina contra a covid-19 da UFMG foi desenvolvida a partir de uma tecnologia chamada subunidade, que não usa o vírus inteiro inativado, mas apenas parte dele. Cerca de 40 voluntários devem ser recrutados para a primeira fase dos testes, com o número podendo chegar a 300 na fase 2.

Últimas