Corona vírus: passageiros vindos da Itália viram preocupação 

Só em Guarulhos desembarcam cerca de 600 viajantes por dia egressos do país europeu, que acaba de ser incluído na “lista de alerta” do Ministério da Saúde.

Passageiros vindos da Itália não enfrentarão bloqueio ou triagem.

Passageiros vindos da Itália não enfrentarão bloqueio ou triagem.

Alitália avião_aplic

A inclusão de países “umbilicalmente” ligados ao Brasil, como Itália e Alemanha, na “lista de alerta” das nações com alto índice de corona-vírus causa enorme preocupação às autoridade de vigilância sanitária brasileiras e ao corpo diplomático destas nações. Somente o terminal internacional de Guarulhos chega a receber, transportados pela Alitália em dois vôos diretos, cerca de 600 passageiros por dia. Até o final desta segunda-feira, o país contabilizava 7 óbitos e 220 casos confirmados da Covid-19.

O Secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira - principal especialista no assunto entre as autoridades federais - descarta qualquer bloqueio aos passageiros ou mesmo a triagem daqueles que manifestem febre ou sintomas evidentes, como tosse. A apresentação terá de ser voluntária. “Medidas de barreiras são desaconselháveis. O passageiro [que apresentar sintomas] será orientado a conduzir-se de acordo com o protocolo sanitário dos aeroportos” - declara o secretário. Atualmente a “lista de alerta” inclui 16 países, tendo dobrado nesta segunda-feira.

Perguntado se haveria reforço do pessoal da Anvisa nos aeroportos internacionais, e se seriam satisfatórias as medidas até aqui limitadas a um aviso sonoro em diversos idiomas, Oliveira destacou que o trabalho dos agentes de saúde é “de precaução”, ressaltou que há registro de casos de transmissão do corona vírus “mesmo sem febre” e não soube precisar se haverá reforços por parte da Anvisa.

O consulado italiano em São Paulo monitora o desembarque dos passageiros e tem inclusive deslocado funcionários a Guarulhos, para oferecer suporte tanto aos passageiros quando às autoridades de saúde brasileiras. O corpo diplomático italiano em Brasília e em São Paulo recebeu com alívio a informação de que o Brasil não oferecerá qualquer tipo de barreira ao desembarque de passageiros originários do país.

A empresa aérea Alitália, no entanto, informa em seu site que “passageiros da República Popular da China que não tenham se submetido ao período de quarentena de 14 dias fora do país de risco não estão autorizados a embarcar em seus vôos” e exige atestado de saúde daqueles que apresentem os sintomas, mas que não sejam causados por corona vírus.