Christina Lemos Desemprego e desigualdades desafiam entrada do Brasil em superbloco

Desemprego e desigualdades desafiam entrada do Brasil em superbloco

Taxa de desocupação no Brasil é mais que o dobro que a dos 38 países da OCDE. Regras tributárias e questões ambientais ainda são travas

Desemprego atinge 11,6% da população economicamente ativa no Brasil

Desemprego atinge 11,6% da população economicamente ativa no Brasil

Mauro Pimentel/AFP - 05.06.2019

Apesar de ter sido recebido com festa por cinco ministros do governo Bolsonaro o primeiro sinal verde para a entrada do Brasil no maior bloco comercial internacional, a OCDE (Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico) ainda representa um desafio para o Brasil, principalmente diante da distância de indicadores entre o país e os demais integrantes da organização. Um dos índices a marcar essas diferenças é o desemprego. Enquanto no Brasil a desocupação atinge 11,6% da população economicamente ativa, entre as 38 nações que compõem o bloco o índice é de 5,5% em média.

Das 251 exigências para integrar a OCDE, falta ao Brasil obter o reconhecimento de 148, inclusive nas áreas de regras tributárias e no controle ambiental. Vencer os degraus que separam o Brasil das demais nações do superbloco permanece um desafio, sobretudo diante do processo de transição política que o país vai experimentar no correr do próximo ano – movimento que é monitorado com especial atenção pela comunidade internacional.

O respeito a contratos, a segurança jurídica e a estabilidade democrática são tidos como precondições básicas para a manutenção de um bom ambiente de negócios e pilares checados a cada reunião entre os países que integram a OCDE.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas