Rio de Janeiro Chiquinho da Mangueira escalou mãe para pegar dinheiro de Cabral

Chiquinho da Mangueira escalou mãe para pegar dinheiro de Cabral

Preso na operação Furna da Onça, parlamentar afirmou que valores foram destinados à escola de samba, com dificuldades de caixa

Chiquinho da Mangueira

Deputado assumiu a presidência da Mangueira em 2013

Deputado assumiu a presidência da Mangueira em 2013

Tomaz Silva/Agência Brasil/19.11.2018

O deputado estadual Chiquinho da Mangueira (PSC) confirmou à Polícia Federal que recebeu dinheiro vivo de Sérgio de Castro Oliveira, o 'Serjão', apontado como operador financeiro do esquema de corrupção atribuído ao ex-governador Sérgio Cabral (MDB). O parlamentar, preso desde 8 de novembro na Operação Furna da Onça sob suspeita de receber um "mensalinho" do grupo do emedebista, negou que o repasse fosse exatamente uma mesada.

Ele afirmou que o dinheiro era destinado à Mangueira, com dificuldades de caixa. "Tratava-se de uma ajuda de um colaborador mangueirense para auxiliar nas despesas na Escola de Samba Mangueira, que atravessava momentos difíceis", disse. "Essas ajudas, que não eram mensais, eram de duas formas: em espécie para pagamentos de despesas com o carnaval e outras despesas eram pagas pelo próprio Serjão diretamente, todas relacionadas às despesas de Carnaval."

Deputado Chiquinho da Mangueira é preso em operação da PF

Chiquinho declarou que "nunca recebeu dinheiro em conta corrente sua e de sua mãe". O deputado, no entanto, afirmou que a mãe 'pode ter recebido alguma quantia' em sua ausência.

Segundo o deputado, o motivo dos pagamentos eram 'despesas relacionadas ao Carnaval'.

"Cabral também é mangueirense", afirmou.

A Furna da Onça mira um esquema de corrupção, lavagem de dinheiro e loteamento de cargos públicos e mão de obra terceirizada em órgãos da administração estadual que teria movimentado R$ 54,5 milhões.

Os parlamentares investigados votariam de acordo com os interesses do ex-governador Sérgio Cabral, na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), e, em troca, receberiam "mensalinhos", que podiam chegar a R$ 900 mil, e o direito de nomear apadrinhados para cargos em órgãos como o Detran-RJ e a Fia (Fundação da Infância e a Adolescência), e em empresas terceirizadas.

Chiquinho da Mangueira e outros deputados tiveram a custódia temporária convertida em preventiva pelo desembargador Abel Gomes na segunda-feira (12). Em delação, Serjão relatou que parte da propina de R$ 3 milhões teria sido repassada ao deputado entre dezembro de 2013 e fevereiro de 2014 "em atendimento, por Sérgio Cabral, a um pedido de Chiquinho para financiar o desfile de 2014, o primeiro carnaval à frente da Mangueira".

O parlamentar afirmou que assumiu a presidência da Mangueira em 2013. "Não se recorda do valor, mas foi de aproximadamente de R$ 2 a 3 milhões, patrocinado por uma empresa de Eike Batista", disse.

No fim do depoimento, Chiquinho da Mangueira afirmou que se comprometia, "se assim for necessário, permitir a quebra de sigilo bancário e fiscal". "Seu patrimônio consiste em dois carros e um quarto dos imóveis recebidos por herança", relatou.

infografia, deputados, operação furna da onça, alerj, rio de janeiro

infografia, deputados, operação furna da onça, alerj, rio de janeiro

Arte/R7