Rio de Janeiro Homens que gravaram praticantes de ioga na Lagoa são indiciados

Homens que gravaram praticantes de ioga na Lagoa são indiciados

Eles irão responder por ato obsceno, perturbação da tranquilidade e injúria qualificada. Inquéritos foram encaminhados à Justiça

Homens que gravaram mulheres foram indiciados

Homens que gravaram mulheres foram indiciados

Reprodução/Record TV Rio

O empresário Ricardo Roriz e o ambulante Celso Barros que aparecem em vídeo expondo mulheres praticando ioga na Lagoa, zona sul do Rio, foram indiciados nesta segunda-feira (17), na 12ªDP, em Copacabana.

Leia mais: Homem que fez gesto obsceno para praticantes de ioga depõe no Rio

De acordo com a delegada do caso, Valéria Aragão, eles irão responder por ato obsceno, perturbação da tranquilidade e injúria qualificada. Roriz ainda responderá por incitação ao crime de violência contra mulher. Os inquéritos foram encaminhados à Justiça.

O empresário também é investigado por outra publicação, na qual aparece também comentendo o mesmo crime (incitação de violência contra mulher). No vídeo, publicado em 2018, ele diz que a lei Maria da Penha é equivocada e que deveria existir outra que permitisse que os homens batessem em suas mulheres após alguns meses de casados.

Caso

Os homens foram flagrados filmando a advogada Mariana Maduro e uma amiga, na Lagoa Rodrigo de Freitas, zona sul do Rio de Janeiro. No vídeo, os suspeitos fazem gestos e comentários com conotações sexuais às vítimas, que praticavam ioga.

Em entrevista à Record TV Rio, a advogada Mariana Maduro comentou que a relação com a ioga mudou após a repercussão do caso. Ela disse que a atividade, que era a paz, virou uma tormenta

*Estagiária do R7, sob supervisão de Odair Braz Jr.

Últimas