Rio de Janeiro Polícia apreende lancha de suspeito da morte de Marielle Franco

Polícia apreende lancha de suspeito da morte de Marielle Franco

Embarcação estava no Condomínio Porto Galo, em Angra dos Reis; veículo estaria no nome de Alexandre Motta, que foi preso com 117 fuzis em casa

Polícia Apreende Lancha

Suposta lancha de suspeito é avaliada em R$ 600 mil

Suposta lancha de suspeito é avaliada em R$ 600 mil

Reprodução/Record TV

A Polícia Civil apreendeu uma lancha de luxo, que seria do ex-sargento Ronnie Lessa, acusado de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes. A embarcação, uma Real 330, estava no Condomínio Porto Galo, em Angra dos Reis, na Costa Verde do Rio de Janeiro, reduto de pessoas com alto poder aquisitivo.

Leia mais: Caso Marielle: delegado responsável por investigação deixa cargo

A informação foi divulgada nesta quarta-feira (13) pela assessoria da Polícia Civil.

A lancha, avaliada em R$ 600 mil, apreendida na terça-feira (12), estaria em nome de Alexandre Motta, que também foi preso, por ter em sua residência 117 fuzis desmontados. De acordo com a Polícia Civil, as investigações apontaram que Motta é laranja de Ronnie, que inclusive teria feito movimentações financeiras no próprio nome. Além da lancha, Lessa também é proprietário de um terreno no mesmo condomínio em Angra.

Nesta quarta-feira foram ouvidas, na Divisão de Homicídios (DH), mais cinco pessoas que teriam algum grau de relação com os acusados: um bombeiro militar, três policiais militares e um civil. Todos foram liberados.

Também foram cumpridos outros 16 mandados de busca e apreensão. Uma sexta pessoa se apresentou espontaneamente e também foi liberada.

Ronnie, Alexandre e o ex-PM Elcio Queiroz aceitaram falar sobre a posse das armas, mas não falaram nada sobre a morte da vereadora.

Na quinta-feira (14) os acusados serão levados para uma audiência de custódia. Só posteriormente serão levados para o sistema prisional.