Rio de Janeiro Sem respostas, sumiço de crianças em Belford Roxo completa 100 dias

Sem respostas, sumiço de crianças em Belford Roxo completa 100 dias

Alexandre, Lucas e Fernando foram vistos pela última vez a caminho da Feira de Areia Branca, em Belford Roxo

  • Rio de Janeiro | Victor Tozo, do R7*

Crianças estão desaparecidas há 100 dias

Crianças estão desaparecidas há 100 dias

Reprodução/Record TV

O desaparecimento de três crianças em Belford Roxo, Baixada Fluminense, completou 100 dias nesta sexta-feira (9), e as famílias ainda esperam respostas.

Os primos Alexandre, de 10 anos, e Lucas, de 8, e o colega Fernando Henrique, de 11 anos, sumiram depois de saírem da comunidade Castelar, onde moram, em direção à Feira de Areia Branca no dia 27 de dezembro do ano passado, e não voltaram mais para casa.

A última atualização sobre o caso veio no dia 11 de março, com a divulgação de imagens de câmeras de segurança que mostravam as crianças à caminho da feira.

Em nota, a DHBF (Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense), responsável pelo caso, declarou que continua as investigações e busca localizar as crianças. Os agentes afirmam que verificaram denúncias em diversos bairros do Rio de Janeiro e municípios da Baixada Fluminense e ouviram depoimentos de familiares e testemunhas.

A polícia informou, também, que todos os caminhos possíveis do percurso das crianças foram examinados. Ainda de acordo com a nota, foram realizadas mais de 80 diligências, com apoio da Core (Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais) e do Batalhão de Choque da Polícia Militar.

O desaparecimento dos meninos motivou um protesto dos moradores da região, que incendiaram um ônibus em frente à DHBF no dia 12 de janeiro. Na ocasião, três pessoas suspeitas de atearem fogo no coletivo foram presas por policiais da 54ª DP (Belford Roxo).

No dia anterior, populares agrediram um homem que acreditavam ser o responsável pelo sumiço dos meninos. Os parentes das crianças entregaram à polícia um celular que pertencia ao homem e continha material de pornografia infantil.

No entanto, os agentes afirmaram que o homem, sem antecedentes criminais, não tinha relação com o caso. Ainda assim, ele foi preso em flagrante por possuir fotografia ou vídeo de cunho pornográfico envolvendo criança ou adolescente.

*Estagiário do R7, sob supervisão de Bruna Oliveira 

Últimas