São Paulo retoma rotina sob chuva fraca após segunda-feira de caos

Rodízio municipal de veículos segue suspenso, trens e Metrô operam normalmente. Ontem, bombeiros receberam mais de 4.500 ligações

São Paulo volta à rotina após dia de caos

São Paulo volta à rotina após dia de caos

REYNESSON DAMASCENO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Depois da situação caótica de segunda-feira (10), São Paulo continua sob chuva na manhã desta terça-feira (11), porém com menos intensidade. O rodízio municipal de veículos segue suspenso e nenhuma região está em estado de atenção. Na segunda, quatro regiões ficaram em estado de alerta e os bombeiros receberam mais de 4.500 chamados entre alagamentos, quedas de árvores e desmoronamentos, aulas foram suspensas em escolas estaduais. O rio Pinheiros atingiu o maior volume de águas em 15 anos. 

Leia também: Heróis da chuva: homem passa 10 horas resgatando ilhados em SP

As aulas nas escolas da rede municipal estão mantidas. Em nota, a Prefeitura infroma que os serviços de saúde estão liberados para atendimento "em qualquer unidade, independente do endereço de moradia do munícipe".

Leia também: Décadas de sofrimento com chuva provocam medo e depressão em SP

As 468 UBS (Unidades Básicas de Saúde) da capital também devem funcionar normalmente, "com estratégias para o acolhimento e resolução das intercorrências caso continuem ou aumentem as chuvas", afirmou a administração municipal.

A linha 9-Esmeralda da CPTM, que ficou paralisada durante toda a segunda, voltou a funcionar, porém com velocidade reduzida e maior tempo de parada entre as estações. De acordo a companhia, as equipes de manutenção finalizam a substituição dos equipamentos de sinalização, que teve início na madrugada.

Ceagesp

A Ceagesp, principal entreposto de armazéns da Grande São Paulo, seguirá fechada nesta terça-feira após ter sido inundada. O nível de água baixou desde a noite de segunda-feira, permitindo equipes de limpeza e manutenção circularem entre os boxes para limpar a sujeira trazida pelas águas da enchente do rio Pinheiros.

Como os comerciantes estão trabalhando na limpeza, a Ceagesp diz que ainda não é possível fazer uma estimativa do prejuízo causado com a perda de mercadoria, nem dizer se haverá aumento de preços por conta da inundação.

Segunda de caos

A segunda-feira (10) foi marcada por uma série de problemas em função das fortes chuvas. Somente a central do Corpo de Bombeiros recebeu mais de 10 mil chamados em função das chuvas. Ao todo, as equipes atenderam 1.043 ocorrências de enchentes, 193 de desabamentos ou desmoronamentos e 219 relacionadas a quedas de árvores.  Escolas de samba contabilizam prejuízos a poucos dias dos desfiles. Na Grande São Paulo, o nível do rio Tietê subiu e houve desmoronamentos. No interior, houve alagamentos e quedas de barreiras nas estradas e dezenas de pessoas ficaram desalojadas. A prefeitura de Botucatu decretou estado de calamidade.