Saúde Cientistas buscam cura da covid-19 com terapia usada contra câncer

Cientistas buscam cura da covid-19 com terapia usada contra câncer

A imunoterapia envolve a extração de células imunes da corrente sanguínea do paciente, que depois são modificadas em laboratório

  • Saúde | Do R7

Cientistas propõem combater covid -19 com terapia usada contra câncer

Cientistas propõem combater covid -19 com terapia usada contra câncer

NIAID

Cientistas da Duke-NUS Medical School (Duke-NUS), faculdade de medicina de Cingapura, exploram a possibilidade de usar células imunes do próprio organismo para combater doenças infecciosas como a covid-19. Essa técnica, chamada de imunoterapia, já é usada no tratamento de diferentes tipos de câncer e de outros doenças infecciosas, como a hepatite B.

As informações foram publicadas na revista acadêmica Journal of Experimental Medicine nesta terça-feira (21).

A terapia envolve a extração de células imunes - chamadas linfócitos T - da corrente sanguínea de um paciente e o mecanismo de ação de um dos dois tipos de receptores para eles: receptores quiméricos de antígeno (CAR) ou receptores de células T (TCR). 

Esses receptores permitem que os linfócitos T manipulados por cientistas reconheçam células cancerígenas ou infectadas por vírus. Os TCRs são naturalmente encontrados nas superfícies dos linfócitos T, enquanto os CARs são receptores artificiais de células T produzidos em laboratório.

Leia também: Estudo vê ‘espinhos’ no coronavírus e pode ajudar a barrar contágio

"Esta terapia é classicamente usada no tratamento do câncer, onde os linfócitos dos pacientes são redirecionados para encontrar e matar as células cancerígenas. No entanto, seu potencial contra doenças infecciosas e vírus específicos não foi explorado", afirma Anthony Tanoto Tan, pesquisador sênior da Duke- Programa de Doenças Infecciosas Emergentes (EID) da NUS.

"Algumas infecções, como [as causadas pelos vírus] HIV e HBV [da hepatite B],  também podem ser um alvo perfeito para essa terapia, especialmente se os linfócitos forem projetados de maneira a ficarem ativos por um período limitado de tempo, pois isso diminui os possíveis efeitos colaterais", acrescenta.

Leia também: Cura do câncer: as terapias que renovam a esperança

Esse tipo de imunoterapia requer pessoal e equipamento especializados e precisa ser administrado indefinidamente. Isso o torna inviável em termos de despesas para o tratamento da maioria dos tipos de infecções virais.

No entanto, no caso de infecções por HBV, por exemplo, os tratamentos antivirais atuais apenas suprimem a replicação viral e curam menos de 5% dos pacientes. Tratar essas pessoas com uma combinação de anti-virais e células T CAR / TCR pode ser uma opção viável.

Leia também: Entenda como o corpo se recupera do novo coronavírus sem remédios

"Demonstramos que as células T podem ser redirecionadas para atingir o coronavírus responsável pela SARS. Nossa equipe agora começou a explorar o potencial da imunoterapia com células T CAR / TCR para controlar o vírus causador da covid-19,  o SARS-CoV-2, e proteger pacientes que tenham sintomas ", disse o professor Antonio Bertoletti, do programa EID da Duke-NUS.

Últimas