Saúde no prato: veja alimentos que podem ajudar a prevenir o câncer

Má alimentação é responsável por cerca de 35% das mortes pela doença

De modo geral, a alimentação deve ser colorida e variada, orienta nutricionista
De modo geral, a alimentação deve ser colorida e variada, orienta nutricionista Getty Images

A cada dia fica mais evidente a importância de uma alimentação saudável e balanceada na rotina da população, não só para ter uma qualidade de vida melhor, mas também para evitar e diminuir os efeitos de doenças, como o câncer.

Dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer) mostram que a má alimentação é responsável por aproximadamente 35% das mortes por câncer nos países em desenvolvimento, como o Brasil. Se a população adotasse hábitos saudáveis, como a prática regular de atividade física, um em cada três casos dos tipos de câncer mais comuns poderiam ser evitados.

Entretanto, o oncologista clínico e coordenador do Centro de Prevenção e Detecção Precoce do Hospital do Câncer Mãe de Deus, Fabiano Souza, explica que só é possível ajudar a prevenir o câncer se os hábitos alimentares saudáveis, aliados à atividade física, fizerem parte do cotidiano da pessoa por anos.

— Não adianta comer determinado alimento durante um mês. O importante é a pessoa mudar o hábito nem que seja algo pequeno, como trocar o leite integral pelo desnatado, e manter essa mudança por anos para ter o benefício.

O R7 conversou com especialistas que listaram alguns alimentos com substâncias que podem ajudar na prevenção do câncer. Entretanto, é importante ressaltar que, mesmo tendo uma alimentação saudável, não significa que a pessoa não terá câncer, já que a doença está associada a vários outros fatores como tabagismo, obesidade e consumo de bebidas alcoólicas.

É importante aumentar consumo de verduras e frutas
É importante aumentar consumo de verduras e frutas Thinkstock

Comida colorida

A nutricionista do Centro Especializado em Oncologia do Hospital Alemão Oswaldo Cruz Kátia Braz explica que, de modo geral, o ideal é ter uma dieta colorida e variada com proteína, carboidrato, evitando os industrializados e não comer apenas determinados tipos de alimentos. Por isso, a especialista deu cinco dicas para ajudar nessa tarefa:

1 - Aumentar o consumo de verduras, frutas, grãos integrais e leguminosas (feijão, soja, grão de bico). "Prefira frutas vermelhas e as cítricas e as verduras verde-escuras".

2 - Comer menos carne vermelha, no máximo 500 g na semana, e evitar as processadas como bacon, linguiça e salsicha.

3 - Comer menos alimentos ricos em sal, que são principalmente os industrializados e congelados, como pizza, lasanha e enlatados.

4 - Evitar o açúcar em excesso, bebidas açucaradas, doces, refrigerantes, energéticos e isotônicos.

5 - Evitar o consumo de álcool.

A sardinha é rica em ômega 3, que é anti-inflamatório
A sardinha é rica em ômega 3, que é anti-inflamatório Thinkstock

Peixes, chia e linhaça

A nutricionista do ICESP (Instituto do Câncer do Estado de São Paulo) Danielle de Souza Pereira explica que alimentos que contêm ômega 3, como a sardinha, são “potentes anti-inflamatórios que reduzem o risco de doenças cardiovasculares e de câncer. ”

— O ômega 3 pode prevenir alguns tipos de câncer, como o de mama, próstata e endométrio, por inibir a proliferação das células cancerígenas e por ter efeito benéfico no sistema imunológico. Conseguimos encontrar o ômega 3 na chia, na linhaça e em peixes de águas salgadas, como a sardinha.

A uva tem substância antioxidante
A uva tem substância antioxidante Pixabay

Além disso, ela ressalta que o ômega 3 ainda melhora a capacidade dos músculos de se recuperar, a concentração e função cerebral e ajuda no combate ao LDL (colesterol ruim).

Uva, açaí e jabuticaba

Os alimentos de cor roxa possuem uma substância com ação antioxidante, que previne o envelhecimento e atua na redução do colesterol, afirma Danielle.

— Alguns estudos demostraram que o resveratrol diminui o risco de infarto e de determinados tipos de câncer pela sua capacidade de conter a proliferação de células tumorais. Podemos encontrar essa substância principalmente nas cascas de alimentos de cor arroxeada, como uva, açaí e jabuticaba.

Açafrão

A especialista ressalta que a curcumina encontrada principalmente no açafrão-da-terra tem alto poder anti-inflamatório.

— Estudos mostram que a curcumina inibe a proliferação de células cancerosas, prevenindo o câncer, bem como reduz o risco de desenvolvimento de variadas doenças, como colite ulcerativa, artrite, aterosclerose [acúmulo de gordura nas artérias], diabetes e depressão.

A soja está associada à prevenção do câncer de mama
A soja está associada à prevenção do câncer de mama thinkstock

Soja

A soja está associada à prevenção do câncer de mama, mas é necessário que o consumo seja habitual, explica Kátia.

— No Oriente, ela mostra ter maiores benefícios porque geralmente as meninas comem soja desde pequenas.

A cebola tem ação anti-inflamatória e cardiovascular
A cebola tem ação anti-inflamatória e cardiovascular Pixabay

Cebola e maçã

A cebola e a maçã têm quercetina, que tem grande ação anti-inflamatória e cardiovascular, e ajuda na redução de várias doenças, afirma Danielle.

— Diminui o risco de morte por doenças das coronárias, reduzindo a incidência de infarto. A quercetina possui ação anticancerígena por atuar no sistema imunológico, ter efeito antioxidante e por diminuir a mutação das células.

Castanha-do-Brasil (conhecida como castanha-do-Pará)

A castanha-do-Pará é um alimento rico em selênio. O elemento químico ajuda a combater os radicais livres que podem causar o câncer, segundo Kátia.

— São muitas usadas como substituta do doce, assim como as frutas secas.

Alimentos integrais

As fibras são encontradas em maior quantidade em verduras [principalmente em alimentos crus], frutas e alimentos integrais, como alface, maçã e aveia, respectivamente, explica Danielle.

— Além de ajudar no funcionamento do intestino, as fibras ajudam a prevenir várias doenças, como câncer de cólon.

O oncologista Fabiano Souza também ressalta que as fibras ajudam no controle de peso, sendo que o excesso de gordura corporal é um dos fatores de risco para o desenvolvimento de vários tipos de câncer. Segundo ele, o consumo de alimentos ricos em fibras ainda “está associado à diminuição de câncer de intestino grosso. ”

O gengibre ajuda a diminuir as náuseas
O gengibre ajuda a diminuir as náuseas Thinstock

Gengibre 

No caso de pacientes que já estão em tratamento contra algum tipo de câncer, Danielle explica que as oleoresinas presentes no gengibre atuam na musculatura do aparelho digestório, diminuindo as náuseas, que é um dos sintomas da quimioterapia.

— O gengibre também possui outra substância chamada gingerol, que é um composto capaz de inibir o crescimento de células tumorais.

Além do gengibre, ela ressalta que existem estratégias que ajudam a reduzir os sintomas dos tratamentos.

— É importante ingerir bastante líquido e dar preferência para alimentos mais azedos ou mais gelados, como o maracujá, limão, abacaxi, mexerica, que podem ser consumidos in natura, em forma de suco ou de picolés naturais (congelar o suco da fruta). Para os pacientes que estão com diarreia, é importante evitar leite e derivados, procurar comer alimentos mais cozidos e assados, evitando os crus e também tomar bastante líquido.

Envelhecimento da população tornará câncer mais comum, mas avanços no tratamento diminuirão número de mortes

*Sob a supervisão de Dinalva Fernandes