Cidades

7/2/2013 às 10h59 (Atualizado em 7/2/2013 às 12h03)

Ataques em Santa Catarina mudaram de perfil desde segunda-feira, aponta comandante da PM

Até agora foram registrados 73 ataques em 23 cidades; um suspeito morreu e 30 foram detidos

Da Agência Brasil

PM faz escolta de ônibus em Terminal da Palhoça, na madrugada desta quarta-feira (6). Em nove dias, foram registrados 73 ataques Marcelo Bittencourt/Futura Press/Estadão Conteúdo

O comandante-geral da PM (Polícia Militar) de Santa Catarina, coronel Nazareno Marcineiro, avalia que os ataques no estado mudaram de perfil desde segunda-feira (4). Segundo ele, os casos são característicos de vândalos e oportunistas.

— [Isso ocorre] com ações, algumas delas já bem constatadas, de aproveitar para colocar fogo no seu carro que estava abandonado, aproveitar para colocar fogo em um caminhão e quem sabe o seguro possa cobrir. [São] crianças brincando de incendiar colchões e acabam por colocar fogo na casa.

Ele destacou, no entanto, que os ataques relacionados a ordens de facções criminosas permanecem.

— Algumas prisões estão sendo feitas com identificação de pessoas que estavam liderando esse processo criminoso, de maneira com que esses ataques estão sendo fortemente coibidos.

Casa de bombeiro é atacada a tiros e veículos são incendiados em nono dia de atentados em SC

PM vai escoltar ônibus em Florianópolis com carros alugados pela prefeitura

Operação contra ataques em Santa Catarina prende sete pessoas em Joinville

Nesta quarta-feira (6), em Joinville, seis pessoas suspeitas de participação nos atos violentos foram presas preventivamente. Com isso, 30 pessoas foram detidas desde o início das ocorrências, no dia 30 de janeiro.

O comandante confirma que a ordem para essa nova série de ataques está partindo de membros de uma facção criminosa que atua dentro de presídios do estado.

— Alguns desses criminosos estão dentro dos presídios e outros estão nas ruas. Todos nós sabemos que as ordens saem das prisões por meio das saídas temporárias que os detentos fazem e por pessoas que, de uma forma ou de outra, fazem contato com o mundo penitenciário.

Os locais escolhidos para os ataques, que são recorrentes na região do Vale do Itajaí, estão relacionados à proximidade com presídios, segundo ele.

— Na Sala de Situação da PM, para onde convergem as múltiplas informações, há uma linha de raciocínio comum que é a de relacionar o ato com os presídios.

Carnaval é mantido em Santa Catarina, mesmo após ataques

Durante encontro de governador e ministro da Justiça sobre segurança em SC, Estado registra 61º ataque

Dez linhas de ônibus de Florianópolis continuam suspensas após último ataque

Ele destacou Joinville como cidade onde estão sendo registrados mais ataques.

— Na vez passada, nos ataques de novembro, tivemos uma situação demarcada em Florianópolis. Nesta ocasião, Joinville tem sido o local com mais episódios, talvez porque seja a maior cidade do estado.

Durante os ataques de novembro, surgiram denúncias de maus-tratos na Penitenciária São Pedro de Alcântara, localizada em Florianópolis. Na época, equipes da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República estiveram no local vistoriar e apurar possíveis casos de tortura. Nesta nova série de atentados, o Presídio Regional de Joinville é alvo de inquérito que investiga abusos cometidos por agentes penitenciários durante uma operação pente-fino no dia 18 de janeiro.

Imagens do circuito interno do presídio, divulgadas pela imprensa no último dia 2 de janeiro, mostram que os agentes usaram balas de borracha e gás de pimenta contra os detentos, mesmo com eles em situação de controle.

Entenda o caso

Santa Catarina vive a segunda onda de violência dos últimos meses. A primeira foi em novembro do ano passado. Os novos ataques começaram no dia 30 de janeiro. O Estado voltou a registrar ônibus, viaturas das polícias Militar e Civil, e veículos particulares incendiados. Bases da PM e delegacias também foram atacadas com tiros ou coquetéis molotovs.

O número de cidades em Santa Catarina que registraram ataques supostamente feitos por uma facção que atua no Estado já supera o verificado em 2012, ano em que a série de atentados começou. Até as 7h desta quinta-feira (7), a Polícia Militar havia confirmado 73 ataques.

As ocorrências foram registradas em 23 municípios: Florianópolis, Blumenau, Criciúma, Itajaí, Navegantes, Palhoça, Camboriú, São Francisco do Sul, Tubarão, Laguna, Araquari, Indaial, Brusque, Joinville, Gaspar, São José, Ilhota, Balneário Camboriú, Jaraguá do Sul, Maracajá, Chapecó, Bom Retiro e Garuva.

Abusos em presídios de Santa Catarina são recorrentes, diz OAB

Menino de 13 anos é suspeito de atear fogo em ônibus em Florianópolis

O motivo teria relação com maus-tratos a detentos, assim como aconteceu em novembro. Um vídeo gravado em um presídio de Joinville mostrou presos sendo torturados por agentes penitenciários. O policiamento foi reforçado em todas as regiões.

Assista o vídeo:

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade
Compartilhe
X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!