Brasília 'Reencontro com o mar para começar 2024 com muita energia para rodar o Brasil', diz Lula; veja

'Reencontro com o mar para começar 2024 com muita energia para rodar o Brasil', diz Lula; veja

Novo ministro da Justiça, ato alusivo ao 8 de Janeiro e desgaste com Congresso são questões à espera do presidente da República

  • Brasília | Do R7, em Brasília

Lula está na Restinga da Marambaia (RJ)

Lula está na Restinga da Marambaia (RJ)

Reprodução Redes Sociais

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva utilizou as redes sociais nesta quinta-feira (3) para compartilhar uma imagem feita pela primeira-dama, Rosângela da Silva, mais conhecida como Janja. "Reencontro com o mar para começar 2024 com muita energia para rodar o Brasil", diz a legenda. O petista está desde 26 de dezembro de 2023 na Restinga da Marambaia, área privativa de praia controlada pelas Forças Armadas no litoral sul do Rio de Janeiro.

Como mostrou o R7, Lula adiou o retorno para Brasília e deve voltar à capital federal do país nesta quinta-feira (4). A volta estava programada para esta quarta-feira (3). O presidente está acompanhado da primeira-dama e de familiares. Assim que retornar a Brasília, terá uma série de questões para resolver, como a escolha de um novo ministro da Justiça e Segurança Pública, com a saída de Flávio Dino, que ocupará em 22 de fevereiro uma das 11 cadeiras do Supremo Tribunal Federal (STF).

Dino permanece como ministro da Justiça pelo menos até 8 de Janeiro, quando os Poderes vão realizar um ato aluviso à invasão feita nas sedes do Legislativo, Executivo e Judiciário em 2023. Para a futura vaga na pasta, Lula analisa diferentes nomes. Neste momento, o favorito é o ministro aposentado do STF Ricardo Lewandowski. Existem grupos divergentes que tentam convencer o petista a indicar nomes como o da ministra do Planejamento, Simone Tebet, a presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann, ou o presidente do Grupo Prerrogativas, Marco Aurélio Carvalho.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
Compartilhe esta notícia pelo Telegram
Assine a newsletter R7 em Ponto

O ato em defesa da democracia marcado para 8 de janeiro, dia em que a depredação às sedes dos Três Poderes completará um ano, vai reunir autoridades no Salão Negro do Senado. Em reunião ministerial, Lula afirmou que estarão presentes os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Supremo, Luís Roberto Barroso. O presidente da República vai lidar com possível esvaziamento do evento por parte de governadores ligados à oposição. Alguns deles já adiantaram que não vão participar do ato.

Lula terá de lidar também com o desgaste com o Congresso Nacional causado pela medida provisória que retoma gradualmente a tributação da folha de pagamento de empresas dos 17 setores que mais empregam no país. O projeto foi mal recebido pelos congressistas, que prometeram resistir às mudanças feitas pela equipe econômica do governo e garantem que o Palácio do Planalto sofrerá resistência. A reoneração da folha é mais uma das medidas formuladas para aumentar a arrecadação em busca do déficit zero neste ano.

O presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse que vai analisar o teor dessa alternativa com os líderes, o que deve ocorrer nos próximos dias. "Para além da estranheza sobre a desconstituição da decisão recente do Congresso Nacional sobre o tema, há a necessidade da análise técnica sobre os aspectos de constitucionalidade da MP", disse o senador.

A reação negativa se deve, entre outros motivos, ao fato de os parlamentares terem editado um projeto de lei que manteve o benefício aos setores que mais empregam até 2027 e ainda terem derrubado o veto de Lula à medida. Com esse clima de tensão instalado, o presidente deverá se juntar ao ministro da Fazenda, Fernando Haddad, na tentativa de negociar com o Congresso. O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, também vai entrar nas negociações.

Últimas