Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

STF aprova extradição voluntária de Serguei Cherkasov, espião russo que se passava por brasileiro

Ele usava identidade brasileira falsa para tentar se infiltrar no Tribunal Penal Internacional, em Haia

Brasília|Gabriela Coelho, do R7, em Brasília


Fachada do STF, em Brasília
Fachada do STF, em Brasília

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin validou na última sexta-feira (17) a declaração de entrega voluntária do cidadão russo Serguei Vladimirovich Cherkasov à Rússia. Ele é suspeito de integrar uma organização criminosa que atuava no tráfico de drogas. Na decisão, o ministro manteve a prisão do russo em razão das investigações que ainda correm em São Paulo.

Serguei, que está preso no país desde outubro do ano passado, também é acusado no Brasil de uso de documento falso e investigado por atos de espionagem, lavagem de dinheiro e corrupção. Ele usava identidade brasileira falsa para tentar se infiltrar no Tribunal Penal Internacional, em Haia.

Conforme a decisão, apesar de ter se voluntariado para responder às acusações de tráfico na Rússia, Serguei só deve voltar ao país de origem após o fim das apurações sobre os supostos crimes cometidos no Brasil. 

O STF recebeu o pedido de extradição da Rússia com base no tratado assinado entre os dois países. Após a prisão dele para fins de extradição, o próprio acusado admitiu os crimes e manifestou interesse na extradição voluntária para a Rússia. A extradição voluntária exige a declaração expressa da pessoa a ser extraditada, em que fique clara sua concordância com a entrega voluntária ao país.

Publicidade

A Procuradoria-Geral da República opinou pela validação da entrega voluntária, mas pediu que ele permaneça no Brasil até a conclusão do processo em andamento no estado de São Paulo, no qual ele foi condenado por uso de documento público falsificado. Além disso, a investigação foi ampliada para apurar possíveis atos de espionagem, lavagem de dinheiro e corrupção, e continua em andamento uma série de medidas investigativas.

Ao analisar o caso, o ministro Fachin lembrou que a Segunda Turma do STF entendeu ser possível decisões individuais de extradição quando o próprio acusado, devidamente orientado por advogado ou defensor, concorde com o envio ao país de origem. Por isso e por considerar que o processo preencheu todos os requisitos legais, o crime não tinha sido indultado e nem estaria prescrito, por exemplo, homologou a declaração de entrega voluntária.

Publicidade

Segundo o ministro, o cidadão russo praticou crimes comuns, sem indícios de que tenha sido perseguido por questões raciais, religiosas ou políticas.

“Inexistem razões sólidas que tornem plausível a hipótese de que o cidadão reclamado possa ser subjugado a atos de perseguição e/ou discriminação em decorrência de raça, religião, sexo, nacionalidade, língua, condição social e/ou pessoal, tampouco se antevendo evidências concretas de que a sua situação jurídica venha a ser agravada por quaisquer desses elementos", disse. 

O ministro Fachin também afirmou que as investigações estão em andamento em São Paulo, o que impede a extradição imediata. O ministro disse ainda que, após a extradição, a Rússia deve observar todos os compromissos diplomáticos previstos, como o de limitar o tempo máximo de 30 anos de prisão previsto em lei e não decretar pena de morte.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.