Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

El Niño chega com previsão de seca, calor intenso, chuvas fortes e ameaça para agricultura

Fenômeno climático responsável pelo aquecimento das águas do Pacífico costuma provocar seca e calor forte no Brasil

Economia|Do R7


Reservatório do rio Jaguari (SP) na época de seca
Reservatório do rio Jaguari (SP) na época de seca

O El Niño retornou oficialmente, e é provável que produza condições climáticas extremas no fim deste ano, desde ciclones tropicais girando em direção a ilhas vulneráveis do Pacífico até chuvas fortes, calor e seca na América do Sul e na Austrália.

O El Niño é caracterizado pelo aquecimento anormal das águas do oceano Pacífico, o que acaba tendo influência no clima mundial, com impactos na temporada de furacões no Atlântico e de ciclones no Pacífico.

Após três anos do padrão climático La Niña, que geralmente reduz um pouco as temperaturas globais, o El Niño, mais quente, está de volta, de acordo com um aviso emitido, nesta quinta-feira (8), pelo Centro de Previsão Climática da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos.

O El Niño surge de águas excepcionalmente quentes no Pacífico oriental, próximo à costa da América do Sul, e geralmente é acompanhado por uma desaceleração ou reversão dos ventos alísios do leste.

Publicidade

"Em maio, as condições fracas do El Niño surgiram à medida que as temperaturas da superfície do mar acima da média se fortaleceram no oceano Pacífico equatorial", disse o comunicado.

Na última vez em que houve um El Niño, em 2016, o mundo teve o ano mais quente já registrado. Juntamente com o aquecimento causado pela mudança climática, 2023 ou 2024 pode atingir novos máximos.

Publicidade

Pelos próximos meses, durante o inverno, o El Niño deve ser sentido mais fortemente no Hemisfério Sul. Entre os países mais atingidos estão Brasil, Colômbia e Venezuela, com previsão de secas intensas, bem como Índia e Indonésia.

Leia também

Como é medido

A maioria dos especialistas procura duas agências para confirmar o início do El Niño: a NOAA e o Bureau de Meteorologia da Austrália (BOM). As duas agências usam métricas diferentes para declarar o El Niño, e a definição australiana é um pouco mais rigorosa.

Publicidade

A NOAA chama de El Niño quando as temperaturas oceânicas no Pacífico equatorial central e oriental foram 0,5 Celsius (0,9 Fahrenheit) mais altas do que o normal no mês anterior e duraram ou devem continuar por mais cinco períodos consecutivos e sobrepostos de três meses. A agência também observa um enfraquecimento dos ventos alísios e da cobertura de nuvens.

O BOM precisa que as temperaturas sejam mais quentes, com as principais regiões do leste do Pacífico 0,8 Celsius mais quentes do que a média.

Na terça-feira (6), a Austrália emitiu o próprio boletim e observou uma probabilidade de 70% de desenvolvimento do El Niño neste ano.

A NOAA disse que há 56% de possibilidade de que, quando esse El Niño atingir seu pico de força, normalmente durante o inverno no Hemisfério Norte, seja um evento forte, o que significa que as temperaturas da superfície do mar do Pacífico oriental estarão pelo menos 1,5°C mais altas.

Isso pode gerar impactos mais intensos, de secas a ciclones, em todo o mundo.

Ainda assim, os impactos variam, e os El Niños vêm em "dois sabores", disse a cientista atmosférica Marybeth Arcodia, da Universidade Estadual do Colorado.

Os que têm suas águas mais quentes perto da costa oeste da América do Sul são considerados eventos do Pacífico oriental, como o forte El Niño de 1997-1998. O outro ocorre no Pacífico central, próximo ao Equador, ao redor do Havaí, como foi o caso do evento mais recente de 2015-2016. As anomalias climáticas podem ser mais extremas, a depender de onde as águas são mais quentes, o que torna o clima mais seco ou mais úmido em determinadas regiões.

Alguns modelos de previsão sugerem que o inverno de 2023-2024 será um El Niño no Pacífico central.

Impactos na agricultura

Os primeiros sinais de clima quente e seco causados pelo El Niño estão ameaçando os produtores de alimentos em toda a Ásia, enquanto os produtores americanos estão contando com chuvas de verão mais intensas do fenômeno climático para aliviar o impacto da seca severa.

O El Niño pode fazer com que a produção das safras de inverno caia 34% em relação aos recordes na Austrália, além de afetar a produção de óleo de palma e de arroz na Indonésia, Malásia, que fornece 80% do óleo de palma do mundo, e na Tailândia.

Na Índia, país que depende em grande parte das chuvas de monções para sua safra de verão, os impactos do El Niño poderiam ser compensados pelo Dipolo do oceano Índico, ou Nino Indiano, mas esperam-se chuvas abaixo do normal no noroeste do país.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.