Ibovespa resiste à realização de lucros e supera os 93 mil pontos

Índice de referência do mercado acionário brasileiro registrou a quinta alta consecutiva e fechou o dia aos 93.828,61 pontos

Giro financeiro da sessão somou R$ 31,3 bilhões

Giro financeiro da sessão somou R$ 31,3 bilhões

Amanda Perobelli/Reuters - 25.7.2019

O Ibovespa fechou em alta pelo quinto pregão consecutivo nesta quinta-feira, após sessão volátil, resistindo a movimentos de realização de lucros e viés negativo em Wall Street, uma vez que permanece beneficiado pela ampla liquidez global.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa terminou com acréscimo de 0,89%, a 93.828,61 pontos, após oscilar da mínima de 92.992,63 pontos à máxima de 94.132,30 pontos. O giro financeiro somou R$ 31,3 bilhões.

"Mesmo o cenário atual não refletindo uma realidade positiva, os ativos já estão começando a precificar uma recuperação em V das economias", observou o estrategista Filipe Villegas, da Genial Investimentos.

Leia mais: Bancos elevam rentabilidade pelo 3º ano consecutivo

Para ele, boa parte desse ânimo nos mercados está relacionado a expectativas de vacina e saída das quarentenas, mas também ao excesso de liquidez proposta nos últimos meses pelos principais bancos centrais, incluindo o Federal Reserve.

Wall Street chegou a oscilar no território positivo, mas fechou com os principais índices no vermelho, quebrando uma série de quatro dias de alta.

Destaques

- ITAÚ UNIBANCO PN avançou 2,89% e BRADESCO PN subiu 1,44%, ganhando fôlego na segunda etapa do dia e mantendo o forte desempenho apurado desde o começo da semana. BANCO DO BRASIL ON ganhou 0,55% e SANTANDER BRASIL UNIT valorizou-se 3,57%. O UBS revisou preços-alvo no setor, elevando o de Itaú de R$ 27 para R$ 32, o de Bradesco de R$ 27 para R$ 28 e o de Santander Brasil de R$ 30 para R$ 32. Itaú e Bradesco têm recomendação de compra e Santander Brasil, neutra.

- MINERVA ON fechou em alta de 7,31%, com empresas exportadoras ajudadas nesta sessão pela valorização do dólar, que fechou a 5,1315 reais. Ainda no setor de proteínas, JBS ON avançou 4,22%. Entre as companhias de papel e celulose, SUZANO ON subiu 4,51%. EMBRAER ON, que também se beneficia do dólar mais alto, avançou 4,81%.

- VALE ON avançou 3,73%, endossando o fechamento positivo do Ibovespa, mesmo com a queda dos futuros do minério de ferro na China, após rali recente.

- PETROBRAS PN recuou 0,19% e PETROBRAS ON subiu 0,45%, com os preços do petróleo terminando a volátil sessão desta quinta-feira praticamente estáveis, com investidores no aguardo de uma decisão de grandes produtores sobre a possibilidade de cortes recordes de bombeamento serem prorrogados.

- VIA VAREJO ON encerrou com elevação de 3,49%, após anunciar oferta bilionária de ações cujos recursos serão usados para investimento em logística e na melhoria da estrutura de capital. A operação, de até 297 milhões de papéis, com distribuição primária e esforços restritos, deve ser precificada em 15 de junho.