Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Homem usa mapa deixado pelo pai para encontrar tesouro milionário enterrado pela família há 80 anos

Familiares fugiram da guerra em 1939 e enterraram toda a prata no quintal da casa; o neto realizou o sonho de recuperar os objetos

Internacional|Sophia Camargo, com agências internacionais


Jan Glazewski nunca se esqueceu da história do tesouro familiar
Jan Glazewski nunca se esqueceu da história do tesouro familiar

Uma história que parece tirada de algum romance foi noticiada pelos jornais britânicos nesta semana.

Em setembro de 1939, uma família judia enterrou um tesouro de prata e fugiu de sua propriedade no leste da Polônia, quando o país foi dividido entre os nazistas e o regime russo de Stálin.

O chefe da família, Adam Glazewski, ficou na propriedade, perto de Lviv — hoje parte da Ucrânia —, em 1939, para enfrentar os russos, que o expulsaram de suas terras e quase o executaram.

Já os quatro filhos recomeçaram a vida em diversos cantos do mundo. O filho Gustaw foi para a África do Sul, mas a lenda do tesouro familiar nunca foi esquecida pela família Glazewski.

Publicidade

Mapa para o tesouro só foi desenhado muito tempo depois

Mapa foi desenhado de memória pelo pai de Jan
Mapa foi desenhado de memória pelo pai de Jan

Oitenta anos após a fuga, o neto de Adam, Jan Glazewski, usou um mapa do tesouro desenhado por seu pai, Gustaw, e conseguiu recuperar o tesouro perdido de prata, avaliado atualmente em milhares de libras.

Jan Glazewski, de 69 anos, é professor aposentado de direito ambiental da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul. Ele contou ao jornal The Mirror que pediu ao pai que lhe desenhasse mapa, para que um dia ele pudesse ir até a propriedade e procurar o tesouro.

Publicidade

"Ele me deu aquele mapa em 1989, acompanhado de algumas instruções, e o desenhou de memória 50 anos depois de partir."

Gustaw morreu em 1991, mas foi apenas em 2019 que Jan iniciou a busca pelo tesouro perdido da família.

Publicidade

'Cave onde a floresta começa'

Jan começou a busca pelo tesouro auxiliado por sua sobrinha Layla e dois detectores de metal ucranianos. Segundo o professor aposentado, o mapa desenhado de cabeça por seu pai mostrava o solar da família em seu local original, mas a casa havia sido destruída pelos russos. Mesmo assim, Jan conseguiu encontrar as fundações.

"Havia uma linha pontilhada que atravessava um campo cultivado — que hoje é apenas mato. Segundo o mapa, eu teria de caminhar 100 metros e depois descer uma ladeira. As instruções de meu pai diziam: ‘Onde a floresta começa, você deve cavar para obter nossa prata'."

Porém, passados 80 anos, Jan não sabia se a floresta havia recuado ou subido a encosta. Havia também a possibilidade de que o tesouro já tivesse sido resgatado.

Ele disse que sentiu instintivamente que seu pai e os tios não teriam descido muito a encosta, onde ela se tornava mais íngreme e coberta de mato. O detector de metais provou que ele estava certo, e o neto de Adam finalmente conseguiu encontrar o tesouro.

'Fiquei muito emocionado'

"Fiquei muito, muito emocionado", disse Jan. Alguns dos itens foram embalados pela mãe dele, que faleceu quando ele tinha apenas 7 anos e fugiu com Gustaw.

"Uma das coisas que pegamos foi uma caixa de joias, e minha sobrinha disse: 'Essas provavelmente foram embaladas por sua mãe; são as joias de sua mãe'. Então, aqui estava eu, tocando coisas que ela havia guardado 80 anos antes. Foi uma coisa muito emocionante para mim."

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.