Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Caso da morte de torcedora em SP teve prisão revogada, mudança de delegacia e novo suspeito

Veja cronologia da investigação, que sofreu reviravolta; Gabriela Anelli morreu após ser atingida por estilhaço de garrafa de vidro

São Paulo|Do R7


Torcedora palmeirense Gabriela Anelli morreu após ser atingida por estilhaço de garrafa de vidro
Torcedora palmeirense Gabriela Anelli morreu após ser atingida por estilhaço de garrafa de vidro

As investigações sobre a morte da torcedora palmeirense Gabriela Anelli, de 23 anos, tiveram uma prisão revogada, mudança de delegacia e um novo suspeito detido. Veja abaixo a cronologia completa dos fatos.

Na última grande atualização do caso, o delegado Antônio Carlos Desgualdo, do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa), afirmou que a tecnologia ajudou a perícia a identificar o momento em que uma garrafa de vidro atingiu o tapume que separava as torcidas do Flamengo e do Palmeiras, na confusão em volta do Allianz Parque, na zona oeste de São Paulo, em 8 de julho.

Os estilhaços da garrafa atingiram o pescoço de Gabriela Anelli, torcedora palmeirense que estava no local. Ela morreu dias depois.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia no Telegram

A linha do tempo da morte de Gabriela Anelli

• No sábado, 8 de julho, antes da partida entre Palmeiras e Flamengo, torcedores das duas equipes se desentenderam no acesso de visitantes ao Allianz Parque, na rua Padre Antonio Tomás, zona oeste da capital paulista;

Publicidade

• Objetos foram atirados entre as torcidas. Entre eles, uma garrafa de vidro, que se quebrou. Um dos estilhaços do objeto atingiu o pescoço da torcedora palmeirense Gabriela Anelli, que morreu na segunda-feira (10) em decorrência dos ferimentos;

• No próprio sábado (8), a polícia prendeu em flagrante Leonardo Felipe Xavier Santiago, torcedor do Flamengo, de 26 anos;

Publicidade

• Leonardo foi apontado pelo delegado César Saad, do Drade (Delegacia de Repressão aos Delitos de Intolerância Esportiva), como o principal suspeito de ter jogado a garrafa de vidro que acabou tirando a vida de Gabriela;

• Em um primeiro momento, o delegado disse que Leonardo teria confessado o arremesso da garrafa. No registro do boletim de ocorrência, entretanto, não consta essa informação. Leonardo diz que atirou pedras de gelo contra os torcedores do Palmeiras;

• César Saad, então, afirmou que a confissão foi feita de maneira informal e que dois palmeirenses teriam identificado o flamenguista como autor do crime. Com base nessas provas testemunhais, a prisão em flagrante foi convertida em preventiva;

Na terça-feira (11), o corpo de Gabriela Anelli foi enterrado em Embu das Artes. Os pais da garota afirmaram que ela era amada por todos e cobraram justiça;

• Nos dias seguintes ao incidente, imagens gravadas pela imprensa, moradores da região e torcedores foram divulgadas e mostram outros ângulos do que aconteceu. Nelas, é possível ver um homem de barba e camiseta cinza atirando uma garrafa de vidro em direção aos torcedores do Palmeiras, diferente da fisionomia de Leonardo Santiago, que não estava de barba e usava uma camisa do Flamengo;

• Na quarta-feira (12), o MPSP (Ministério Público de São Paulo) se manifestou sobre o caso. O órgão disse que não encontrou provas suficientes para manter o flamenguista preso e pediu sua soltura;

Os advogados do investigado, Thiago Huber e Renan Bohus, também se pronunciaram e reforçaram que Leonardo jogou somente pedras de gelo contra a torcida rival. Segundo a defesa, nenhuma imagem mostra Leonardo com uma garrafa na mão;

• Ainda na quarta (12), o TJSP (Tribunal de Justiça de São Paulo) atendeu ao pedido do MPSP e revogou a prisão de Leonardo Santiago;

• A juíza Marcela Raia de Sant'Anna determinou que as investigações passassem a ser conduzidas pelo DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa);

• A postura do delegado César Saad foi criticada pela juíza, que o classificou de "despreparado para conduzir as investigações";

Leonardo Santiago deixou o CDP (Centro de Detenção Provisória) IV de Pinheiros, na zona oeste da capital, às 17h40 do dia 12 de julho;

• Mesmo solto, o torcedor do Flamengo está impedido de se ausentar da cidade onde reside, no Rio de Janeiro, por mais de oito dias sem autorização judicial e de trocar de endereço sem comunicar ao juiz;

• Uma semana depois, a Polícia Civil, agora sob supervisão do DHPP, realizou uma reconstituição da confusão para tentar esclarecer a morte de Gabriela Anelli;

• Nesta quarta-feira (19), o DHPP revelou que identificou uma pessoa que teria atirado uma garrafa de vidro no momento da confusão. O novo suspeito seria torcedor do Palmeiras. No total, a Polícia Civil investiga três pessoas;

• No dia 25 de julho, a polícia prendeu um novo suspeito de atirar a garrafa que acabou matando Gabriela Anelli. Ele é Jonathan Messias dos Santos Silva, torcedor do Flamengo. A prisão aconteceu no bairro Campo Grande, no Rio de Janeiro;

• Jonathan seria o homem que aparece de barba e camiseta cinza nas imagens do incidente divulgadas pela imprensa dias depois da confusão;

• Segundo a investigação do DHPP, a comparação entre as imagens gravadas por torcedores e moradores da região com as câmeras do estádio do Palmeiras auxiliou a polícia a localizar o novo suspeito;

• Nesta terça-feira (8), Jonathan será ouvido pela primeira vez na sede do DHPP.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.