São Paulo PM de SP matou menino atropelado durante perseguição, aponta laudo

PM de SP matou menino atropelado durante perseguição, aponta laudo

Leandro Silva, 5 anos, morreu após ser atropelado junto com a mãe na zona leste de São Paulo. PM diz que estava perseguindo assaltantes de padaria

Menino Leandro e a mãe foram atropelados pela Polícia Militar

Menino Leandro e a mãe foram atropelados pela Polícia Militar

Reprodução/Facebook

A perícia da Polícia Cientifica feita no carro da Polícia Militar apontam que foram os policiais que atropelaram o menino Leandro dos Santos Silva, 5 anos, e a mãe Thayana dos Santos Silva, 21 anos, após uma suposta perseguição, na região do Aricanduva (zona leste de São Paulo), no dia 20 de abril.

A criança não resistiu e a mulher foi internada em estado gravíssimo e agora, segundo familiares, está em casa se recuperando. No início das investigações, os PMs envolvidos na ação disseram que não se lembravam o que havia acontecido e, por isso, não sabiam dizer quem atropelou a mãe e matou a criança.

Leia também: 'Quero a verdadeira versão', diz primo de menino atropelado por PM

O laudo foi divulgado pela SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo), que informou ainda que o soldado Wellington Dias Silva, responsável por dirigir a viatura, foi indiciado por homicídio culposo na direção de veículo automotor (sem intenção de matar).

Conforme as investigações, o policial militar, que estava acompanhado na viatura de outro soldado da PM, estavam perseguindo um grupo que havia roubado uma padaria. Segundo a SSP-SP, três homens suspeitos de participação no assalto foram presos.

Os dois policiais envolvidos no atropelamento foram afastados das ruas e estão recebendo acompanhamento de saúde mental, segundo a SSP-SP. A pasta ainda disse que os PMs só devem retornar às atividades após uma avaliação médica.

"Todas as circunstâncias também são apuradas por meio de inquérito instaurado pela Polícia Militar", disse a SSP-SP, por meio de nota. A pasta ainda afirma que a Corregedoria da Polícia Militar acompanha as investigações.

O caso segue sendo investigado pelo 41º DP (Vila Rica).