Saúde Brasil tem casos de doença causada por cigarro eletrônico; veja os riscos

Brasil tem casos de doença causada por cigarro eletrônico; veja os riscos

Sintomas incluem tosse, falta de ar, mal-estar e diarreia; uso do produto pode matar em um curto espaço de tempo, diz especialista

Brasil tem 3 casos de lesão pulmonar associados ao cigarro eletrônico

Três casos de doença associada ao cigarro eletrônico foram confirmados no Brasil

Três casos de doença associada ao cigarro eletrônico foram confirmados no Brasil

Reprodução / OMS

Os três primeiros casos de Evali, lesões pulmonares associadas ao uso do cigarro eletrônico foram confirmados no Brasil pela SBPT (Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia). Os pacientes usaram cigarro eletrônico com tetrahidrocanabinol (THC) – principal substância psicoativa da maconha - em dispositivos adquiridos nos Estados Unidos.

Os sintomas da doença são tosse, falta de ar e mal-estar. Também podem ocorrer sinais relacionados ao sistema digestivo, como diarreia e náuseas, afirma o pneumologista Elie Fiss, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

De acordo com ele, o relato de uso do cigarro eletrônico nos últimos 90 dias é o diferencial para o diagnóstico da Evali, mas serve para casos suspeitos e confirmados da doença.

Leia mais: Fumar cigarro eletrônico por 10 minutos equivale a mais de 1 maço

Além disso, “o pulmão reage a muitos agentes agressores da mesma forma”, destaca o especialista.

“A radiografia mostra lesões e aspectos semelhantes a outras doenças inflamatórias que atingem os pulmões. Além disso, ainda não temos um exame específico para a Evali”, explica. “Só com a biópsia é possível diferenciar”, acrescenta.

Leia mais: Falta de tratamento contínuo aumenta risco de morte por asma

Para fazer o diagnóstico preciso, a SBPT recomenda que sejam usados os critérios definidos pelo CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças), dos Estados Unidos.

Os EUA vivem um surto de Evali, com 2.291 pacientes hospitalizados e 48 mortes confirmadas neste ano, conforme dados do CDC. As pessoas mortas tinham entre 17 e 75 anos de idade. Dentre os hospitalizados, a maioria são homens com menos de 35 anos de idade.

Fiss alerta que o uso do cigarro eletrônico pode matar em um curto espaço de tempo. Apesar disso, muitas lojas online fazem uma propaganda enganosa do produto, inclusive no Brasil, onde a venda é proibida pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

“Elas [lojas] dizem que o cigarro eletrônico pode ser uma forma de largar o cigarro convencional, mas isso é uma grande mentira, porque existem esses casos agudos que levam à morte”, ressalta o pneumologista.

Leia mais: Anvisa rejeita plantio de maconha, mas assunto pode voltar à pauta

Segundo ele, no Brasil o uso de cigarros eletrônicos é subnotificado pelo fato de a venda ser proibida, mas estima-se que entre 0,5% e 1% da população o utilize. Já nos Estados Unidos, o consumo é mais frequente entre jovens – 27% deles fazem uso do produto.

“Lá aconteceu o primeiro transplante de pulmão, feito em um garoto de 17 anos, por causa da Evali”, diz o médico.

O tratamento da doença é feito com hidratação, oxigênio e, quando necessário, ventilador mecânico. Fiss também costuma recomendar aos seus pacientes o uso de corticoides, que servem para tratar diversas doenças pulmonares.

Cigarro e álcool são fatores de risco para câncer cerebral. Saiba mais: