Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

PF vai investigar Máfia das Apostas e grupo suspeito de manipular resultados de jogos de futebol

O inquérito será aberto por determinação do ministro da Justiça; jogadores viraram réus nessa terça (9)

Brasília|Ana Isabel Mansur, do R7, em Brasília


Jogadores viraram réus nessa terça-feira (9) após denúncia do MPGO
Jogadores viraram réus nessa terça-feira (9) após denúncia do MPGO

A Polícia Federal vai abrir um inquérito sobre a chamada Máfia das Apostas e um grupo suspeito de manipular jogos das séries A e B do Campeonato Brasileiro e de torneios estaduais, entre 2022 e 2023. A decisão foi tomada após determinação do ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, nesta quarta-feira (10).

• Compartilhe esta notícia no WhatsApp

• Compartilhe esta notícia no Telegram

"Diante de indícios de manipulação de resultados em competições esportivas, com repercussão interestadual e até internacional, estou determinando hoje que seja instaurado Inquérito na Polícia Federal para as investigações legalmente cabíveis", escreveu Dino em uma rede social.

Publicidade

A suspeita é que o grupo tenha atuado em ao menos 13 jogos, das séries A e B do Brasileirão de 2022 e dos campeonatos Paulista e Gaúcho de 2023. Os jogadores envolvidos poderiam receber até R$ 100 mil. Especialistas consultados pelo R7 dizem que os atletas envolvidos podem pegar de dois a seis anos de prisão e ser banidos do futebol.

Nessa terça-feira (9), a Justiça de Goiás aceitou a denúncia e tornou rés 16 pessoas envolvidas no esquema. Ao todo, são sete jogadores e nove apostadores. A denúncia foi enviada pelo Ministério Público de Goiás (MPGO) ao Tribunal de Justiça de Goiás. A Confederação Brasilera de Futebol (CBF), contudo, não vai suspender o Brasileirão

Publicidade

Jogos sob suspeita de manipulação

2022

Palmeiras X Juventude — Brasileirão, Série A

Publicidade

Goiás X Juventude — Brasileirão, Série A

Ceará X Cuiabá — Brasileirão, Série A

Sport X Operário-PR — Brasileirão, Série B

Red Bull Bragantino X América-MG — Brasileirão, Série A

Santos X Avaí — Brasileirão, Série A

Botafogo X Santos — Brasileirão, Série A

Palmeiras X Cuiabá — Brasileirão, Série A

Leia também

2023

Guarani X Portuguesa-SP — Campeonato Paulista

Red Bull Bragantino X Portuguesa — Campeonato Paulista

Bento Gonçalves X Novo Hamburgo — Campeonato Gaúcho

Caxias X São Luiz-RS — Campeonato Gaúcho

Na denúncia, o MP de Goiás também pede a todos os denunciados que paguem, em grupo, um valor mínimo de R$ 2 milhões para reparar o dano moral coletivo.

"O parâmetro utilizado para a definição do valor refere-se a uma das expectativas de lucro do grupo criminoso com a utilização de dezenas de contas que foram empregadas nas apostas manipuladas descritas na denúncia", diz o órgão.

Confira os jogadores que se tornaram réus

• Eduardo Bauermann (Santos)

• Victor Ramos (Chapecoense) — na época, jogando pela Portuguesa

• Gabriel Tota (Ypiranga-RS) — na época, jogando pelo Juventude

• Igor Cárius (Sport) — na época, jogando pelo Cuiabá

• Paulo Miranda (Náutico) — na época, jogando pelo Juventude

• Fernando Neto (São Bernardo) — na época, jogando pelo Operário-PR

• Matheus Gomes (Sergipe)

Apostadores que viraram réus

Além dos jogadores, mais nove pessoas, apontadas como participantes dos esquemas de apostas, foram indiciadas:

• Bruno Lopez de Moura

• Ícaro Fernando Calixto dos Santos

• Luís Felipe Rodrigues de Castro

• Victor Yamasaki Fernandes

• Zildo Peixoto Neto

• Romário Hugo dos Santos

• William de Oliveira

• Pedro Gama dos Santos Junior

• Thiago Chambó Andrade

O que dizem os acusados

Em nota, Eduardo Bauermann negou "vigorosamente qualquer envolvimento com apostas esportivas ou esquema fraudulento de manipulação em partidas de futebol ou qualquer outro esporte. Tenho uma história honesta, honrada e vencedora no futebol, trajetória esta que me fez chegar a um dos maiores clubes do mundo", escreveu.

A defesa de Victor Ramos afirmou que o jogador negou a autoria dos fatos e "pretende continuar colaborando com as investigações e com a Justiça para comprovar definitivamente sua inocência."

O R7 entrou em contato com a assessoria dos atletas Igor Cárius e Paulo Miranda, mas não recebeu retorno até a última atualização deste texto. A reportagem não conseguiu localizar a defesa dos jogadores Gabriel Tota e Matheus Gomes.

Operação em abril

Em 18 de abril, o MPGO realizou a Operação Penalidade Máxima 2, contra um grupo que era suspeito de ter manipulado resultados de jogos do Brasileirão e de campeonatos estaduais. No dia, foram cumpridos três mandados de prisão preventiva e 20 de busca e apreensão, em 16 municípios de 20 estados — Goianira (GO), São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Recife (PE), Pelotas (RS), Santa Maria (RS), Erechim (RS), Chapecó (SC), Tubarão (SC), Bragança Paulista (SP), Guarulhos (SP), Santo André (SP), Santana do Parnaíba (SP), Santos (SP), Taubaté (SP) e Presidente Venceslau (SP).

As investigações do MPGO mostraram que os suspeitos coagiram jogadores profissionais de futebol, com oferta de valores entre R$ 50 mil e R$ 100 mil àqueles que cometessem eventos previamente determinados nas partidas. Derrota no primeiro tempo, número de escanteios e de cartões, por exemplo, poderiam render até R$ 100 mil ao jogador participante do esquema.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.