Internacional

30/3/2013 às 11h41

No Afeganistão, aldeias começam a combater o Taleban

Levante se espalhou por dezenas de cidades no Distrito de Panjwai

Um levante contra o Taleban, iniciado recentemente nesta aldeia no sul do Afeganistão, hoje já se espalhou por dezenas de cidades, segundo moradores e autoridades afegãs e americanas, na mais importante virada popular contra os insurgentes islamistas nos últimos anos.  

Desde o início de fevereiro, quando aldeões se juntaram às forças policiais para começar a expulsar os combatentes talebans desta região rica em vinhedos e pomares no sul da cidade de Kandahar, centenas de moradores se uniram para apoiar o governo. Quase 100 anciões das aldeias prometeram, numa reunião pública na segunda-feira, manter o Taleban afastado conforme chega a nova temporada de combate — e bandeiras afegãs estão hasteadas nos telhados das aldeias, segundo moradores.  

Nos últimos 18 meses, levantes isolados contra o Taleban foram relatados em diversas partes do Afeganistão. Mas a revolta no Distrito de Panjwai é considerada importante por ser a primeira no sul do Afeganistão, no coração espiritual do movimento Taleban, onde a influência do grupo vinha resistindo apesar de repetidas operações de forças dos Estados Unidos e da OTAN.  

Irmãs afegãs morrem em onda de suicídios

Embora ninguém esteja afirmando que o Taleban está expulso para sempre deste Distrito — os insurgentes prometeram um retorno vingativo e recentemente mataram dois homens na região —, o levante de Panjwai deu um exemplo do que pode ser conquistado quando o ressentimento local pelos militantes é acompanhado de um apoio confiável do governo.  

Essas são boas notícias numa época pessimista, com o Taleban fazendo incursões em outros locais do país onde as tropas americanas estão em retirada.  

Em entrevistas, aldeões e autoridades locais afirmaram que, embora o levante tenha surgido do ódio dos aldeões pela brutalidade taleban, ele foi possível devido ao crescente poder das forças de segurança afegãs e a uma força policial particularmente ativa na região.  

O novo chefe da polícia no Distrito de Panjwai, Sultan Mohammad, é de Zangabad, o nome da área ao redor, e sua nomeação em janeiro galvanizou o apoio local ao governo.  

"Tem sido uma longa jornada. Mas para resumir, as pessoas chegaram ao seu limite e se cansaram do Taleban", declarou o Major General Robert B. Abrams, comandante dos Estados Unidos no sul, numa coletiva de imprensa com repórteres do Pentágono recentemente. Ele disse que, até agora, o Taleban só não foi expulso de quatro aldeias do Distrito.  

Forças americanas e afegãs conduziram uma campanha extenuante nos Distritos de Kandahar desde o pico de 2010, quando milhares de tropas adicionais dos Estados Unidos foram enviadas ao Saul do Afeganistão.  

Embora o Taleban tenha sido derrotado em áreas cruciais naquele ano, eles mantiveram controle da parte sul de Panjwai, nos aglomerados de aldeias de Zangabad e Sperwan, e permearam a região com bombas improvisadas e locais de emboscadas.  

A fagulha veio no início de fevereiro, quando o comandante do Taleban na região, o mulá Noor Mahmad, de 35 anos, entrou nesta aldeia para prender homens. Ele bateu na casa de Hajji Abdul Wudood e exigiu a entrega de dois filhos, acusados de espionagem para o governo.  

"Eles queriam massacrar meus filhos", afirmou Wudood numa entrevista no mês passado em sua casa. "Eles queriam levá-los ao deserto, onde possuem um tribunal e uma base."  

Wudood, de 60 anos e ex-combatente mujahedin contra os soviéticos na década de 1980, já havia aguentado o suficiente. Ele e seus oito filhos decidiram resistir.  

Vários aldeões que haviam perdido parentes para o Taleban se juntaram a eles. A aldeia já começara a ferver: três dias antes, o mesmo comandante taleban havia espancado agricultores que limpavam o canal de irrigação local.   Wudood buscou ajuda com o chefe de polícia do Distrito, Sultan Mohammad, um velho colega mujahedin e parente por casamento. Juntos, eles criaram um plano para emboscar os talebans.  

Em 6 de fevereiro, eles atacaram uma base taleban numa aldeia vizinha. Setenta aldeões desarmados acompanharam a polícia, orientando-os pelos campos minados e agindo como vigias. Após um breve tiroteio, a polícia expulsou o Taleban, matando três homens e perseguindo os restantes pelo deserto.  

Líderes locais em Kandahar expressam orgulho pelo sucesso do levante até agora, mas advertem que, se o governo não prosseguir com o maior apoio policial, o Taleban poderá voltar com mais força.  

"Tudo depende do que o governo fará com essas pessoas", argumentou Hajji Agha Lalai, membro do conselho da província de Kandahar. "Se eles as apoiarem e equiparem, teremos uma revolução."  

Líderes talebans ficaram furiosos por perder Panjwai e vêm planejando sua volta ao Distrito em reuniões na cidade paquistanesa de Quetta, segundo policiais e funcionários da inteligência.  

Um comandante taleban, que falou sob condição de anonimato em entrevista por telefone, admitiu a perda de Panjwai, mas disse que o movimento está começando a infiltrar mais combatentes no sul do Afeganistão — junto aos trabalhadores que chegam para a colheita de papoula para ópio.  

Recentemente, dois operários de uma construtora foram sequestrados e mortos em Panjwai. Seus corpos foram encontrados em aldeias diferentes perto do deserto onde ainda atuam combatentes do Taleban, segundo autoridades policiais.  

Wudood disse ter recebido avisos de que o Taleban teria encomendado seu assassinato, mas se manteve desafiador.   "Desta vez não estou sozinho", afirmou ele. "Há milhares de nós em Zangabada e Sperwan. Eles não podem eliminar a todos. Somos os verdadeiros donos desta terra, os homens que nos atacam estão vindo de fora. Não temos medo. Vamos defender nossa terra."

 

O que acontece no mundo passa por aqui

Moda, esportes, política, TV: as notícias mais quentes do dia

  • Espalhe por aí:

Veja também

Todas as notícias
Publicidade

Vitrine de ofertas

Compartilhe
Mergulho no lixo

Ativistas do freeganismo se alimentam de comidas jogadas fora

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Fotografia

Ensaio traz à tona "fantasmas" da desindustrialização nos EUA

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Imagens do ano

Entre sorrisos e lágrimas: veja as imagens mais emocionantes de 2013

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
Compartilhe
Perturbador

Crimes brutais chocaram o mundo em 2013. Veja os casos mais macabros

  • Compartilhe no Facebook
  • Compartilhe no Twitter
  • Compartilhe no Google Plus
  • Últimas de Internacional

  • Últimas de Notícias

X
Enviar por e-mail
(todos os campos marcados com * são obrigatórios)
Preencha os campos corretamente.
Mensagem enviada com sucesso!