Mais brasileiros pretendem usar 13º para comprar presentes em 2019

Percentual cresceu de 23% para 32%, segundo levantamento do SPC Brasil e da CNDL. Apenas 15% vão priorizar contas básicas

1ª parcela deve ser depositada até 29 de novembro

1ª parcela deve ser depositada até 29 de novembro

Saulo Angelo/ Futura Press/ Estadão Conteúdo - 22.11.2019

O número de brasileiros que vão usar o dinheiro do 13º salário para comprar presentes cresceu em 2019 em comparação com 2018 — passou de 23% a 32%. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (27) pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas)

Normalmente, a primeira parcela do 13º é depositada até o dia 30 de novembro. No entanto, como este ano a data é um sábado, o valor deve ser pago aos trabalhadores até dia 29 de novembro

A segunda cairá em conta até o dia 20 de dezembro. Em segundo lugar, ficou a intenção de poupar ou investir os recursos (24%), seguido daqueles que vão destinar o dinheiro extra para as comemorações de Natal e Ano Novo (22%).

Apenas 15% de pessoas pretendem priorizar o pagamento de contas básicas, como água e luz, por exemplo e, 14% vão realizar alguma viagem.

A economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti afirma que o cenário econômico um pouco melhor pode influenciar as compras.

"O país se recupera lentamente da crise e ainda sofre com os efeitos negativos da recessão, como desemprego elevado e renda comprimida. Ainda assim, o período mais agudo das dificuldades já foi superado, o que de certa forma, pode estimular um otimismo maior dos brasileiros na hora ir de ao consumo”, diz. 

Kawauti orienta que os consumidores inadimplentes usem o dinheiro do 13º para quitar dívidas. “A prioridade deve ser sempre sair do vermelho e evitar pagamento de juros que se acumulam. Se o consumidor tem apenas uma dívida em aberto, é mais fácil resolver o problema com a chegada deste dinheiro extra. Caso exista mais de uma, a regra geral é priorizar as dívidas que têm os juros mais altos como, por exemplo, cheque especial e cartão de crédito”, afirma Marcela.

Renda extra

A pesquisa aponta que 52% dos consumidores pretende fazer "bicos" para comprar mais presentes ou de melhor qualidade. 

O educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli, afirma que é preciso planejar as compras de Natal, por meio de uma lista de pessoas que deseja presentar e pesquisa de valores. 

“O consumidor deve tomar cuidado para não sobrecarregar o orçamento do começo do ano, quando é preciso lidar com despesas sazonais pesadas como o IPTU e o IPVA, por exemplo”, orienta.

Metodologia da pesquisa

Foram ouvidos 686 consumidores nas 27 capitais para identificar o percentual de quem pretendia ir às compras no Natal e, depois, a partir de 600 entrevistas, investigou-se em detalhes o comportamento de consumo no Natal apenas com trabalhadores que recebem o 13º salário. A margem de erro é de no máximo 3,7 e 4,0 p.p, respectivamente. A uma margem de confiança de 95%.