Massacre no Canadá começou como caso de violência doméstica

Polícia canadense revela que o atirador agrediu a namorada, que conseguiu fugir, antes de começar a atacar e matar 22 pessoas antes de ser morto

Moradores de Nova Escócia fizeram um memorial para as vítimas do ataque

Moradores de Nova Escócia fizeram um memorial para as vítimas do ataque

Tim Krochak / Reuters - 23.4.2020

O ataque a tiros mais sangrento da história moderna do Canadá, que terminou com 23 mortos no último fim de semana, começou como um caso de violência doméstica quando o suposto autor do massacre agrediu a namorada.

Leia também: Número de mortes de pior ataque da história do Canadá chega a 23

A Polícia Montada do Canadá (RCMP) revelou em uma entrevista coletiva nesta sexta-feira (24) que o homem de 51 anos, bateu na companheira e a agrediu na noite de sábado, pouco antes de começar a atirar em mais de 20 pessoas que encontrou em várias comunidades rurais na província de Nova Escócia, no leste do país.

A mulher, que sobreviveu às agressões, conseguiu fugir e se esconder na mata até o início da manhã de domingo. Quando foi localizada pelas forças de segurança, a vítima, cuja identidade não foi revelada pelas autoridades, avisou aos policiais que o suspeito estava vestido com um uniforme da RCMP e viajou em um veículo que parecia uma patrulha.

Explosão de violência

O Superintendente da polícia, Darren Campbell, declarou que o ataque à namorada pode ter desencadeado a explosão de violência que o homem demonstrou nas 14 horas seguintes, até ter sido morto por dois agentes de segurança na manhã de domingo.

Após dias de silêncio e evasões, a Polícia Montada hoje concedeu uma explicação detalhada das ações do homem, que durante horas conseguiu percorrer dezenas de quilômetros matando pessoas conhecidas e desconhecidas sem ser detido pelas forças de segurança. As autoridades acreditam que o uso da farda e da viatura facilitaram os crimes.

O denturista conseguiu enganar um homem da RCMP, Chad Morrison, que foi baleado no início da manhã de domingo. O agente, que estava esperando em uma estrada por outra policial, Heidi Stevenson, escapou e buscar assistência médica. Entretanto, a colega não teve a mesma sorte e foi assassinada a tiros.

Campbell destacou ainda que, embora não tivesse licença de porte, Wortman conseguiu comprar armas de fogo no Canadá e nos Estados Unidos, tanto pistolas quanto espingardas. Ele foi morto no domingo quando parou em um posto de gasolina e foi acidentalmente localizado por dois integrantes da RCMP.