Brasília Quase 80% das crianças não foram vacinadas contra Covid-19 no DF

Quase 80% das crianças não foram vacinadas contra Covid-19 no DF

Até agora, foram distribuídas 62.100 doses da Pfizer Infantil, mas ainda faltam mais de 206 mil crianças para serem imunizadas

  • Brasília | Priscila Mendes, do R7, em Brasília

A vacinação de crianças contra a Covid-19 continua nesta quinta (3) no DF

A vacinação de crianças contra a Covid-19 continua nesta quinta (3) no DF

SMSA/Divulgação

Mais de 76% das crianças de 5 a 11 anos ainda não foram vacinadas contra a Covid-19 no Distrito Federal. Segundo dados da Secretaria de Saúde, das 268.206 crianças aptas a receber a dose da Pfizer infantil, apenas 62.100 foram imunizadas até a última atualização do Vacinômetro, da manhã desta quinta-feira (3). 

De acordo com o último levantamento, foram recebidas 23.900 doses de Pfizer infantil na úlltima quarta-feira (2), sendo que 21.500 foram distribuídas. No estoque constam apenas 2.400 doses. 

A expectativa da Secretaria de Saúde é "vacinar todo esse público no menor tempo possível", principalmente, devido à volta das aulas presenciais. 

A vacinação contra Covid-19 para as crianças continua nesta quinta. Para pequenos de 5 anos, a dose da Pfizer-Biontech pediátrica está sendo ofertada em 13 postos, enquanto a imunização Coronavac está disponível em 18 UBSs (Unidades Básicas de Saúde) para as crianças de 6 a 11 anos. É preciso ficar atento aos horários, que variam de acordo com a unidade. Confira os locais de vacinação.

A imunização das crianças de 5 anos e imunossuprimidas deve ser realizada com a Pfizer, de acordo com a orientação do Ministério da Saúde. A recomendação é que as crianças vacinadas com a Pfizer pediátrica tomarão a segunda dose após 56 dias. Já as vacinadas com a Coronavac receberão a segunda dose após 28 dias. 

Plano de vacinação

A vacinação contra a Covid-19 para crianças de 5 a 11 anos de idade deve ser feita de acordo com uma lista de definida pelo Ministério da Saúde, priorizando crianças com comorbidades ou deficiências, quilombolas e indígenas.

Na sequência, entram crianças que vivem em lar com pessoas com alto risco para evolução grave de Covid-19 e o público infantil sem qualquer tipo de comorbidade, por faixa etária decrescente, na seguinte ordem: crianças entre 10 e 11 anos, crianças entre 8 e 9 anos, crianças entre 6 e 7 anos e, por último, crianças com 5 anos.

Últimas