Internacional França permitirá demitir funcionário que não se vacinar

França permitirá demitir funcionário que não se vacinar

Deputados franceses aprovaram a vacinação obrigatória para algumas profissões e a extensão do passe sanitário

AFP
Na França, profissionais que atuam na área da saúde serão obrigados a se vacinar

Na França, profissionais que atuam na área da saúde serão obrigados a se vacinar

Alain JOCARD / AFP

Na França, qualquer trabalhador que não tenha se vacinado poderá ser demitido, afirmou nesta terça-feira (27) a ministra do Trabalho, após uma votação no domingo (25) no Parlamento sobre a extensão do documento que comprova a vacinação ou um teste negativo de covid-19, chamado passe sanitário.

"Os trabalhadores não devem achar que não poderão ser demitidos", declarou a ministra do Trabalho, Elisabeth Borne, depois de uma votação do Parlamento, que rejeitou a possibilidade de que se possa demitir alguém por não cumprir com a obrigação de se vacinar ou por não possuir o passe sanitário. 

Mais de 40 milhões receberam uma dose de vacina na França

"Nós trabalhamos dentro do direito comum do Código de Trabalho", disse Borne.

No domingo, os deputados franceses aprovaram a vacinação obrigatória para algumas profissões (incluindo profissionais de saúde) e a extensão do passe sanitário, um dia após a retomada de manifestações contra essas medidas. 

O texto prevê a obrigação de apresentar um passe sanitário, teste negativo de covid-19, comprovante de vacinação ou um certificado de ter se recuperado da doença, na maioria dos estabelecimentos públicos. A medida também afeta os trabalhadores desses lugares e deve entrar em vigor no início de agosto.

França vai reabrir baladas depois de 16 meses de fechamento

No entanto, os parlamentares rejeitaram as sanções inicialmente previstas para aqueles que não tiverem o passe ou não cumprirem com a obrigação de se vacinarem, uma decisão que, segundo a ministra do Trabalho, levará à proteção dos funcionários afetados.  

"Temos que ser claros, isso não quer dizer que não vai haver demissões, isso significa que está menos definido, que podem acontecer antes", disse a ministra.

Últimas