Assessor é chamado para depor em comissão de cassação de vereador

Segundo denúncia feita à Câmara, o assessor parlamentar é suspeito de ameaçar políticos a mando de Welligton Magalhães, vereador de BH

Magalhães enfrenta segundo processo de cassação

Magalhães enfrenta segundo processo de cassação

Divulgação/CMBH/Karoline Barreto

Um assessor parlamentar foi convocado a prestar depoimento, nesta terça-feira (8), à comissão que analisa o pedido de cassação do vereador de Belo Horizonte Wellington Magalhães (DC). O pedido foi feito após o vereador Mateus Simões (Novo) apontar o assessor como responsável por ameaçar parlamentares da Câmara Municipal, supostamente a mando de Magalhães.

Esta é a segunda vez que a Câmara discute o fim do mandato de Magalhães por quebra de decoro parlamentar, que é quando as ações de um legislador afetam a imagem da Casa. Uma investigação do MPMG (Ministério Público de Minas Gerais), que coloca o político como suspeito de desvio de verbas motivou o processo. Na primeira ação, contudo, o representante do DC foi absolvido pelos colegas vereadores.

Veja mais: Vereadores não se posicionam sobre cassação de Wellington Magalhães

A comissão que analisa o pedido de cassação já ouviu Andrea Vacchiano, que comandou a Polícia Civil de Minas Gerais quando Magalhães estava sendo investigado pela corporação por fazer parte de uma quadrilha que teria desviado R$ 30 milhões por meio de contratos de publicidade do Legislativo Municipal.

No mesmo dia, o também vereador Gabriel Azevedo (sem partido) prestou depoimento. Na audiência, o parlamentar relatou as supostas ameaças recebidas por pessoas ligadas ao vereador Wellington Magalhães.

A reportagem procurou o gabinete de Magalhães para comentar a denúncia, mas ainda não teve retorno.